Brasil

Greve dos ônibus em SP pode ser adiada? Motoristas e empresas reabrem negociações

Direção do sindicato vai convocar os trabalhadores para uma assembleia geral nesta quinta-feira

Mateus Omena
Mateus Omena

Repórter da Home

Publicado em 5 de junho de 2024 às 19h26.

Última atualização em 5 de junho de 2024 às 19h41.

O Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo (SMTTrusp) anunciou que vai reabrir as negociações com representantes do setor, para decidir sobre a paralisação programada para esta sexta-feira.

Em uma audiência de conciliação realizada na sede do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, as partes concordaram em retomar as negociações das cláusulas econômicas pendentes da campanha salarial 2024.

O processo de negociações ocorrerá por meio da formação de uma Mesa Técnica, coordenada pelo TCM, com a participação de técnicos do sindicato, setor patronal, São Paulo Transportes (SPTrans), Câmara Municipal, e possivelmente convidados representantes do Ministério Público do Trabalho (MPT) e do próprio Tribunal Regional do Trabalho (TRT-SP).

A direção do sindicato, liderada pelo presidente Edivaldo Santiago, vai convocar os trabalhadores do sistema de transporte por ônibus da capital (motoristas, cobradores e setor de manutenção) para uma assembleia geral nesta quinta-feira, 6. Eles devem deliber a aprovação ou não da proposta e a suspensão da greve até 30 de junho. O resultado da assembleia será encaminhado ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT-SP) no mesmo dia.

Se a suspensão da greve for aprovada na assembleia, o sindicato permanecerá em estado de greve durante as negociações, com ações de mobilização junto à categoria, de acordo com a decisão que for tomada na audiência. Se a proposta for rejeitada na assembleia, o desembargador decidirá sobre o pedido de tutela antecipada para o movimento de greve na cidade a partir de 7 de junho.

Reivindicações

A direção do sindicato está reivindicando um reajuste de 3,69% com base no IPCA-IBGE, além de um aumento real de 5% e a reposição das perdas salariais ocorridas durante a pandemia, calculadas em 2,46% pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

O sindicato também pede a ampliação na Participação nos Lucros e Resultados (PLR), um reajuste do valor do tíquete para R$ 38, uma cesta básica com produtos de qualidade e o fim do termo "similar".

Também são pedidos: um reajuste de 17% no seguro de vida, garantindo cobertura de dez salários mínimos conforme a Lei nº 12.619 (lei do motorista), melhorias nos convênios médico e odontológico, uma jornada de trabalho de 7 horas efetivamente trabalhadas (6h30 mais 30 minutos para descanso e refeição) ou 6 horas trabalhadas com 1 hora remunerada, auxílio funeral com revisão dos valores, e um cartão para uso em casos de necessidade.

Acompanhe tudo sobre:GrevesÔnibussao-paulo

Mais de Brasil

Governo sanciona lei que prevê plano de combate à violência contra mulher

PL do aborto: Conselho Federal da OAB aprova parecer que avalia texto como inconstitucional

Em SP, operação da Polícia Civil despeja projeto social na Cracolândia

PF recupera gravuras raras roubadas há 16 anos da Biblioteca Mário de Andrade, em SP

Mais na Exame