Brasil

Marco temporal: Mendonça questiona se deve participar do julgamento

Questão é avaliada por causa da atuação do ministro como advogado-geral da União, no governo de Jair Bolsonaro

Marco Temporal: análise da tese foi suspensa em junho por pedido de vista do ministro (Carlos Moura/SCO/STF/Flickr)

Marco Temporal: análise da tese foi suspensa em junho por pedido de vista do ministro (Carlos Moura/SCO/STF/Flickr)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 2 de agosto de 2023 às 16h42.

O ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (STF), submeteu uma questão de ordem no julgamento que discute a tese do marco temporal para a demarcação de terras indígenas.

Ele quer discutir se poderá votar no julgamento ou deve se declarar suspeito por ter atuado como advogado-geral da União no processo durante a gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo em primeira mão. Inscreva-se no Telegram da Exame

O julgamento da questão de ordem proposta pelo ministro foi marcado para a sessão virtual que será realizada entre os dias 4 e 14 de agosto.

A análise do marco temporal foi suspensa em junho por pedido de vista de Mendonça. O placar estava em 2 a 1 para acabar com a tese, segundo a qual os indígenas só podem reivindicar a posse de terras que ocupavam na data da promulgação da Constituição em 1988.

Mendonça se comprometeu a devolver o processo a tempo de a presidente da Corte, Rosa Weber, proferir seu voto. Ela se aposenta em outubro. Na terça-feira, 1º, ao ser questionado por jornalistas se pretende liberar o julgamento em breve, Mendonça reforçou esse compromisso e disse estar estudando o caso.

Acompanhe tudo sobre:Supremo Tribunal Federal (STF)Jair BolsonaroAndré Mendonça

Mais de Brasil

Governo diz que concessionária seguirá operando Aeroporto Salgado Filho

Caso Marielle: Moraes autoriza inquérito contra irmãos Brazão e Rivaldo por suspeita de obstrução

Chuvas no RS: nível do Guaíba deve atingir cota de inundação nesta quarta-feira, aponta IPH

Mais na Exame