Brasil

Processo que pede suspensão do salário de Bolsonaro no PL é arquivado pelo TCU

Decisão considera que o caso seja analisado pelo Tribunal Superior Eleitoral

Bolsonaro: irregularidade no pagamento do PL foi questionada após inelegibilidade do ex-presidente (Joe Raedle/Getty Images)

Bolsonaro: irregularidade no pagamento do PL foi questionada após inelegibilidade do ex-presidente (Joe Raedle/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 2 de agosto de 2023 às 17h48.

O Tribunal de Contas da União (TCU) arquivou, nesta quarta-feira, 2, o pedido do subprocurador-geral Lucas Rocha Furtado para suspender o salário de quase R$ 40 mil reais pago pelo Partido Liberal (PL) ao ex-presidente Jair Bolsonaro por entender que o órgão não possui legitimidade para julgar um tema da alçada da Justiça Eleitoral.

A decisão considera a própria Constituição Federal, que determina que os partidos políticos são obrigados a prestar contas à Justiça Eleitoral, compostas pelos tribunais eleitorais e pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). "Cabe à Justiça Eleitoral analisar a prestação de contas dos partidos políticos", reforça o texto.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo em primeira mão. Inscreva-se no Telegram da Exame

O documento cita a jurisprudência do TSE, que decide que a inelegibilidade, apesar de impedir que o condenado receba votos em uma eleição, não impacta outros direitos políticos, como votar e participar de siglas.

O TCU também destaca que a pretensa irregularidade no pagamento do PL a Bolsonaro foi posta em questão após o julgamento do TSE que declarou a inelegibilidade do ex-presidente. Assim, o tribunal afirma que encaminhará uma cópia do processo à Corregedoria Geral Eleitoral do TSE e à Procuradoria Geral da República do MPF, "para apurações e/ou demais providências que entenderem pertinentes".

A decisão pelo encerramento o processo foi tomada pelo relator, ministro Benjamin Zymler, e acompanhada em unanimidade pelos outros ministros do TCU. O processo foi votado em lista, ou seja, os magistrados não chegaram sequer a discutir a acusação.

Acompanhe tudo sobre:Jair BolsonaroTCUTSESalários

Mais de Brasil

Quem é Mello Araújo, anunciado como vice de Nunes em São Paulo

Lula anuncia R$ 194 milhões para construção de 1,3 mil casas no Piauí

Justiça Federal homologa acordo para preservação da Cinemateca

Nunes e Tarcísio confirmam ex-chefe da Rota indicado por Bolsonaro como vice

Mais na Exame