Acompanhe:

Lula viaja à China em busca de papel para o Brasil no processo de paz na Ucrânia

Lula se reunirá na sexta-feira, 14, em Pequim com o presidente chinês Xi Jinping, mas viagem é no início da semana; veja detalhes

Modo escuro

Continua após a publicidade
Precatórios: aumento percentual foi de 41,3% em relação ao acumulado de 2021, quando as dívidas somaram R$ 101 bilhões (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Precatórios: aumento percentual foi de 41,3% em relação ao acumulado de 2021, quando as dívidas somaram R$ 101 bilhões (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Depois de adiar a visita oficial à China devido a uma pneumonia, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva viajará na terça-feira, 11, a Pequim com o objetivo de retomar o protagonismo internacional do Brasil e discutir propostas de paz para a Ucrânia.

O presidente, de 77 anos, que a princípio deveria ter visitado a China de 25 a 31 de março, prometeu colocar novamente o Brasil na geopolítica mundial, após o isolacionismo de seu antecessor Jair Bolsonaro.

Lula se reunirá na sexta-feira, 14, em Pequim com o presidente chinês Xi Jinping, com quem abordará a questão da guerra na Ucrânia, antecipou o chanceler Mauro Vieira à AFP e outras agências internacionais de notícias.

O governante de esquerda se recusou a enviar munição para a Ucrânia em nome da paz e propõe a criação de um grupo de países mediadores. "Estou confiante que quando voltar da China e você me fizer essa pergunta (sobre a guerra), eu vou dizer que está criado o grupo que vai discutir a paz", declarou em um encontro com jornalistas durante a semana.

O presidente russo Vladimir "Putin não pode ficar com o terreno da Ucrânia", ao mesmo tempo que o presidente ucraniano Volodimir Zelensky "não pode querer tudo", afirmou Lula na quinta-feira, ao sugerir que Kiev renuncie à península da Crimeia, anexada pela Rússia em 2014.

O governo da Ucrânia descartou a ideia.

"Não há razão legal, política nem moral que justifique abandonar um só centímetro de território ucraniano", afirmou o porta-voz da diplomacia ucraniana, Oleg Nikolenko, que acrescentou, no entanto, apreciar "os esforços do presidente brasileiro para encontrar uma maneira de deter a agressão russa".

Reunião em Moscou

A China, maior parceiro comercial do Brasil, promove uma proposta de 12 pontos para uma resolução política, que pede o fim das hostilidades e diálogo.

"São condições básicas para a paz", disse o ministro Vieira, que considerou "muita positiva" a abordagem de Pequim.

Xi Jinping se comprometeu na sexta-feira a "apoiar qualquer esforço a favor de um retorno à paz à Ucrânia", em uma declaração conjunta com o presidente francês, Emmanuel Macron, que também visitou Pequim.

A Rússia, no entanto, descarta a possibilidade de mediação da China e rejeita no momento "uma perspectiva de solução política" para o conflito na Ucrânia.

Os esforços do Brasil para fazer parte de solução ao conflito também ficaram refletidos no encontro de 25 de março, na capital russa, entre Celso Amorim, ex-chanceler e principal conselheiro de Lula para assuntos internacionais, e Vladimir Putin.

"Dizer que as portas estão abertas (para a negociação de paz) seria exagero, mas dizer que estão totalmente fechadas também não é verdade", declarou Amorim ao canal CNN Brasil.

Amorim, ministro das Relações Exteriores de Lula durante seus dois primeiros mandatos (2003-2010), também se reuniu com o chanceler russo, Sergei Lavrov, que visitará o Brasil no dia 17 de abril.

BRICS na agenda

Lula também visitará Xangai na quinta-feira, 13, para a cerimônia de posse da ex-presidente Dilma Rousseff (2011-2016) no comando do New Development Bank, o banco dos BRICS.

O Grupo, que o Brasil integra ao lado de Rússia, Índia, China e África do Sul, foi criado em 2006, durante o primeiro governo de Lula.

A viagem à China, no momento em que completa 100 dias de retorno ao poder, ressalta o interesse de Lula para recompor os laços diplomáticos com países estratégicos, depois de visitar outras capitas como Buenos Aires e Washington.

Com uma comitiva que inclui deputados e senadores, a agenda do presidente será especialmente política, depois que o potencial econômico da relação com Pequim foi avaliado na semana passada.

Um fórum empresarial recebeu quase 500 empresários brasileiros - principalmente do agronegócio - e chineses. Mais de 20 acordos de cooperação foram assinados, incluindo um que permitirá transações comerciais em reais e yuans, sem a necessidade do dólar.

A China é a principal parceira comercial do Brasil: o comércio bilateral registrou o recorde 150,5 bilhões de dólares (760 bilhões de dólares) em 2022.

O Brasil, maior economia regional, é o principal destino de investimentos chineses na América Latina (48%), com 70,3 bilhões de dólares (R$ 356 bilhões no câmbio atual) entre 2007 e 2020, de acordo com o Conselho Empresarial Brasil-China.

Antes de retornar ao Brasil, Lula fará uma escala nos Emirados Árabes Unidos em 15 de abril para uma visita de um dia.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Alemanha vai investigar vazamento de conversa militar confidencial sobre Ucrânia
Mundo

Alemanha vai investigar vazamento de conversa militar confidencial sobre Ucrânia

Há 8 horas

Pasta do Comércio da China se compromete a ajudar empresas e a impulsionar demanda doméstica
Economia

Pasta do Comércio da China se compromete a ajudar empresas e a impulsionar demanda doméstica

Há um dia

Biden diz que irá investigar carros chineses sob suspeita de espionagem
Mundo

Biden diz que irá investigar carros chineses sob suspeita de espionagem

Há um dia

G20: dirigente do BCE afirma ser necessário encontrar solução legal sólida para ativos russos
Mundo

G20: dirigente do BCE afirma ser necessário encontrar solução legal sólida para ativos russos

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais