Acompanhe:

Lula sobre Alckmin: 'Quero construir uma chapa para ganhar as eleições'

Nesta segunda-feira, 29, Alckmin fez novos acenos a uma aliança com Lula durante conversa a portas fechadas com presidentes de centrais sindicais, que defendem a aliança

Modo escuro

Continua após a publicidade
Lula: durante a entrevista, ele voltou a afirmar que ainda não bateu o martelo sobre sua candidatura à Presidência (NELSON ALMEIDA / AFP/Getty Images)

Lula: durante a entrevista, ele voltou a afirmar que ainda não bateu o martelo sobre sua candidatura à Presidência (NELSON ALMEIDA / AFP/Getty Images)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 30 de novembro de 2021 às, 15h48.

Última atualização em 30 de novembro de 2021 às, 16h32.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reforçou a hipótese de ter Geraldo Alckmin (de saída do PSDB) na vice de sua chapa presidencial em 2022 e disse que aguarda a definição do novo partido do ex-governador para avançar nas negociações. Em entrevista para a rádio Gaúcha FM nesta terça-feira, 30, o petista afirmou que ambos estão buscando construir um acordo.

"Tive uma extraordinária relação com o Alckmin no meu governo. Ele está definindo qual será seu partido político e nós estamos no processo de conversar. Vamos ver se é possível construir uma aliança política. Mas é o seguinte: eu quero construir uma chapa para ganhar as eleições", disse Lula.

Nesta segunda-feira, 29, Alckmin fez novos acenos a uma aliança com Lula durante conversa a portas fechadas com presidentes de centrais sindicais, que defendem a aliança. O tucano, que negocia filiação no PSB, PSD e União Brasil, tem sido cortejado por petistas para dar um caráter ideológico mais amplo à candidatura Lula, sinalizando ao centro e valorizando a responsabilidade fiscal no histórico de Alckmin como gestor.

Durante a entrevista, Lula voltou a afirmar que ainda não bateu o martelo sobre sua candidatura à Presidência, embora tenha assumido uma agenda claramente pré-eleitoral, de costuras regionais. Se eleito, disse, vai rever a política de paridade de preços da Petrobras para tentar controlar a inflação, tema usado pelo petista como munição contra o presidente Jair Bolsonaro. Ele também criticou o teto de gastos adotado no governo do ex-presidente Michel Temer. "O teto de gastos só pode ser aprovado em um país onde o presidente da República não tem autoridade moral para decidir o que fazer, o que gastar, onde investir", disse, sem explicitar se pretende buscar mudanças nos limites legais.

O petista voltou a se defender de acusações de corrupção em seus mandatos. Ele alegou que a marca dos governos petistas foram as políticas de inclusão social, não o mensalão e o petrolão. "Nenhum governo criou mais instrumentos de combate à corrupção que Lula e Dilma", disse, citando leis regulamentadas quando o partido ocupava a cadeira do Executivo, como a da delação.

"Quem praticou corrupção no PT foi punido, foi responsabilizado. O que nós queremos é que a investigação seja bem-feita, que não seja feita por um mentiroso como o Moro ou por uma quadrilha como a do Dallagnol", afirmou.

Últimas Notícias

Ver mais
Congresso prepara sessão que deve impor derrotas a Lula, e ala do governo tenta adiamento
Brasil

Congresso prepara sessão que deve impor derrotas a Lula, e ala do governo tenta adiamento

Há 8 horas

Milei escreve nova carta a Lula em busca de aproximação após oferecer ajuda a Musk
Brasil

Milei escreve nova carta a Lula em busca de aproximação após oferecer ajuda a Musk

Há 9 horas

OAB se mantém favorável ao veto parcial de Lula sobre 'saidinha' de presos
Brasil

OAB se mantém favorável ao veto parcial de Lula sobre 'saidinha' de presos

Há 9 horas

Com destaque para Amazônia, Brasil reduz desmatamento de florestas
Um conteúdo Esfera Brasil

Com destaque para Amazônia, Brasil reduz desmatamento de florestas

Há 10 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais