Brasil

Haddad se reúne com Lula para fechar arcabouço fiscal e deve se encontrar com líderes da Câmara hoje

Após reunião com Lula na tarde desta quarta-feira, 29, a expectativa é que Haddad apresente oficialmente o arcabouço a lideranças da Câmara

Haddad: reunião com Lula nesta quarta-feira, 29, para fechar detalhes do arcabouço fiscal (Ministério da Fazenda/Flickr)

Haddad: reunião com Lula nesta quarta-feira, 29, para fechar detalhes do arcabouço fiscal (Ministério da Fazenda/Flickr)

Carolina Riveira
Carolina Riveira

Repórter de Economia e Mundo

Publicado em 29 de março de 2023 às 15h21.

Última atualização em 29 de março de 2023 às 15h29.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, se reúne com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva por volta das 15h desta quarta-feira, 29, para fechar os detalhes finais do arcabouço fiscal.

Na sequência, a depender dos desdobramentos da reunião com a Presidência, a expectativa é que ocorra no fim da tarde uma nova reunião com o presidente da Câmara, Arthur Lira, e demais lideranças da casa.

Lira convocou as lideranças da Câmara por mensagem para uma reunião às 17h, segundo informou Andreia Sadi no portal G1. A assessoria do presidente da Câmara ainda não confirma a reunião dos líderes com a Fazenda.

A reunião de Haddad com Lula sobre o arcabouço estava inicialmente na agenda oficial para esta manhã, mas foi adiada para o período da tarde. O presidente ainda se recupera de um quadro de pneumonia.

Nos últimos dias, Haddad vem peregrinando por Brasília em meio às negociações finais da regra fiscal. Na terça-feira, 28, ao falar sobre a reunião, o ministro disse que ela seria "conclusiva" sobre o arcabouço e que a proposta seria divulgada ainda nesta semana.

"Portanto, esta semana, nós vamos divulgar", disse Haddad. "A lei propriamente tem um prazo para ser encaminhada, que é o dia 15 de abril, em virtude que ela tem de estar compatível com a LDO [Lei de Diretrizes Orçamentárias]. Mas isso não nos impede de já dizer qual vai ser a nova regra fiscal."

Além de Lira, Haddad deve se reunir com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e lideranças da casa na quinta-feira, 30. O esboço da regra fiscal já havia sido apresentado por Haddad a Lira, Pacheco e lideranças do PT no Congresso em encontros reservados na semana passada, e o ministro classificou a proposta como tendo tido recepção "muito boa".

O que há na nova regra fiscal

A proposta de novo arcabouço foi apresentada pela equipe da Fazenda a Lula e ministros há uma semana, mas o texto está em debates internos no governo desde então. Lula havia dito que faltavam "detalhes" e, por isso, o anúncio oficial só ocorreria após a volta da comitiva brasileira de viagem à China no início de abril.

Com o cancelamento do compromisso diante de um quadro de pneumonia do presidente, no entanto, a divulgação ganhou espaço para ser antecipada.

Membros da equipe econômica têm se pronunciado ao longo da última semana sobre o arcabouço, embora sem apresentar detalhes mais específicos. O que se sabe é que a regra terá medidas anticíclicas em modelo diferente do atual teto de gastos, como afirmou ontem o secretário executivo da Fazenda, Gabriel Galípolo, além de possibilidade de zerar o déficit primário já em 2024.

Nesta semana, a ministra do Planejamento, Simone Tebet, chegou a dizer que a regra deve "agradar a todos", citando os defensores de maior responsabilidade fiscal e, do outro lado, vozes mais "expansionistas" no governo. "Estou confiante que vai ser aprovado no Congresso", disse a ministra.

No Congresso, a nova regra precisa ser aprovada via lei complementar, que exige maioria simples (uma vitória do governo na tramitação da PEC de Transição no ano passado, que fez com que a regra não mais precisasse ser uma emenda constitucional aprovada por dois terços dos parlamentares).

O prazo oficial para apresentação da regra pelo governo era agosto, mas a Fazenda decidiu antecipar a apresentação para antes da LDO, de modo a introduzir o tema no debate do Orçamento nos próximos meses.

Acompanhe tudo sobre:Novo arcabouço fiscalFernando HaddadCâmara dos DeputadosArthur Lira

Mais de Brasil

Pesquisa encontra agrotóxicos em alimentos ultraprocessados com apelo ao público infantil

STF cria marco civilizatório ao proibir exposição de vida sexual de vítima, dizem advogados

Seguradoras irão pagar, no mínimo, R$ 1,6 bilhão em indenizações no Rio Grande do Sul

Governo libera verba extra de R$ 22 milhões para as universidades do RS

Mais na Exame