Brasil

Greve do Metrô de SP: Justiça determina 100% da operação em caso de paralisação nesta quarta

O sindicato se reúne na noite desta terça-feira, 21, para decidir sobre a paralisação após audiência de conciliação entre a categoria e o Metrô nesta tarde

Estação Sumaré da linha verde do metrô de São Paulo. (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Estação Sumaré da linha verde do metrô de São Paulo. (Rovena Rosa/Agência Brasil)

André Martins
André Martins

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 21 de maio de 2024 às 17h21.

Última atualização em 21 de maio de 2024 às 20h04.

Tudo sobreMetrô de São Paulo
Saiba mais

A Justiça do Trabalho de São Paulo determinou que os funcionário do Metrô devem garantir o funcionamento do sistema com 100% da capacidade nos horários de pico no caso de greve da categoria prevista para esta quarta-feira, 22.

O sindicato se reuniu na noite desta terça-feira, 21, e decidiu adiar a paralisação até a próxima reunião da assembleia, que acontecerá no dia 5 de junho. O recuo da categoria acontece após uma carta apresentada pelo Metrô atender parte das reivindicações dos trabalhadores. 

A greve é um protesto dos servidores contra a proposta de reajustes do Metrô. A companhia ofereceu aumento de 2,77% (inflação medida pelo IPC-Fipe), recusado pelos trabalhadores.

A decisão do desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2) Davi Furtado Meirelles, que atende parcialmente o pedido do Metrô, define ainda que nos demais períodos, o efetivo mínimo deve ser de 50%.

O magistrado determinou ainda que seja aplicada multa diária de R$ 100 mil tanto para o Sindicato dos Metroviários quanto para o Metrô caso qualquer das partes crie obstáculos ao acesso dos trabalhadores, vagões nas vias e nos pátios do Metrô ou impeça o livre trânsito dos vagões de transporte público nos trilhos metroviários.

Meirelles explica que a ordem vale para também para o Metrô, pois em ocasiões anteriores a empresa buscou impedir o cumprimento de decisões da Justiça, “sob o argumento de insegurança na prestação de serviços de forma parcial, tentando com isso transferir a totalidade da responsabilidade para a entidade sindical profissional e trabalhadores”.

Também ficou estabelecido que oficiais de justiça compareçam ao Centro de Controle de Operações, na Liberdade (Rua Vergueiro, 1200), para verificar o cumprimento da decisão a partir da zero hora da quarta.

Última greve do Metrô causou congestionamento na cidade

A última paralisação da categoria ocorreu em novembro de 2023 e causou congestionamentos na cidade de São Paulo e suspensão das aulas. As principais reivindicações eram pela paralisação do processo privatização da Sabesp e da linha 7-rubi e contra o corte de 5% no orçamento da educação. A greve unificada reuniu trabalhadores do Metrô, CPTM e Sabesp.

Acompanhe tudo sobre:Metrô de São Paulo

Mais de Brasil

Com música e alegria, Parada LGBT+ de SP chama atenção para a política

Entenda decisão de Moraes de se declarar impedido em caso de ameaças a familiares

João Campos é favorito nas intenções de voto no Recife; veja a lista de pré-candidatos

Ex-prefeito de Santos é condenado e perde direitos políticos

Mais na Exame