• AALR3 R$ 19,55 -1.01
  • AAPL34 R$ 73,59 0.04
  • ABCB4 R$ 16,97 2.97
  • ABEV3 R$ 14,72 0.20
  • AERI3 R$ 3,95 -9.82
  • AESB3 R$ 10,81 0.75
  • AGRO3 R$ 31,80 0.60
  • ALPA4 R$ 21,42 -1.24
  • ALSO3 R$ 20,14 1.36
  • ALUP11 R$ 26,25 0.23
  • AMAR3 R$ 2,44 2.52
  • AMBP3 R$ 30,18 1.86
  • AMER3 R$ 23,36 -1.27
  • AMZO34 R$ 71,24 -0.41
  • ANIM3 R$ 5,68 2.34
  • ARZZ3 R$ 82,83 0.07
  • ASAI3 R$ 15,65 1.82
  • AZUL4 R$ 22,09 3.90
  • B3SA3 R$ 11,82 1.46
  • BBAS3 R$ 36,15 2.06
  • AALR3 R$ 19,55 -1.01
  • AAPL34 R$ 73,59 0.04
  • ABCB4 R$ 16,97 2.97
  • ABEV3 R$ 14,72 0.20
  • AERI3 R$ 3,95 -9.82
  • AESB3 R$ 10,81 0.75
  • AGRO3 R$ 31,80 0.60
  • ALPA4 R$ 21,42 -1.24
  • ALSO3 R$ 20,14 1.36
  • ALUP11 R$ 26,25 0.23
  • AMAR3 R$ 2,44 2.52
  • AMBP3 R$ 30,18 1.86
  • AMER3 R$ 23,36 -1.27
  • AMZO34 R$ 71,24 -0.41
  • ANIM3 R$ 5,68 2.34
  • ARZZ3 R$ 82,83 0.07
  • ASAI3 R$ 15,65 1.82
  • AZUL4 R$ 22,09 3.90
  • B3SA3 R$ 11,82 1.46
  • BBAS3 R$ 36,15 2.06
Abra sua conta no BTG

Gilmar Mendes mantém bloqueio de bens de Ricardo Queiroz Galvão

Ministro disse que TCU apontou indícios da participação do executivo em esquema fraudulento em obra de trecho da Ferrovia Norte-Sul em GO
Queiroz Galvão: a formalização e a negociação do esquema ocorreram sob ordens do executivo, segundo o ministro do STF (Divulgação/Queiroz Galvão)
Queiroz Galvão: a formalização e a negociação do esquema ocorreram sob ordens do executivo, segundo o ministro do STF (Divulgação/Queiroz Galvão)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 09/04/2018 21:42 | Última atualização em 09/04/2018 21:42Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou um pedido do executivo Ricardo Queiroz Galvão e manteve o bloqueio de bens que lhe havia sido imposto pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

A Queiroz Galvão venceu em 2004 uma licitação realizada pela Valec para construção de trecho da Ferrovia Norte-Sul em Goiás entre o Porto Seco de Anápolis a Campo Limpo. A obra foi realizada entre 2006 e 2011, entrando na mira do TCU por irregularidades em contratos - a suspeita era de superfaturamento.

Gilmar destacou em sua decisão que o TCU apontou que há indícios da participação do executivo no esquema fraudulento.

"No caso concreto, o TCU assenta que há indícios da participação do impetrante no esquema fraudulento. Aduz que, apesar de não ter sido ele o responsável pela assinatura do contrato, toda a formalização e negociação do esquema que acarretou o superfaturamento da obra, teriam ocorrido sob suas ordens e comando, na condição de Diretor-Geral da Construtora", observou o ministro.

"Não vislumbro violação ao devido processo legal por parte da Corte de Contas ao determinar a indisponibilidade dos bens do impetrante, solidariamente aos demais responsáveis", concluiu Gilmar Mendes no último dia 5, ao negar o pedido do executivo para desbloquear os bens.

Até a publicação deste texto, a assessoria da Queiroz Galvão não havia respondido à reportagem.

Veja Também

BNDES e TCU se unem para criar a Rede Blockchain Brasil
Future of Money
Há 4 semanas • 2 min de leitura

BNDES e TCU se unem para criar a Rede Blockchain Brasil