Brasil

Apoio a PEC da Transição, porém com responsabilidade fiscal, diz Kassab

O ex-prefeito de São Paulo discursou em um painel do Fórum Esfera Brasil, realizado no Guarujá

Gilberto Kassab, presidente nacional do PSD (Esfera Brasil/Divulgação)

Gilberto Kassab, presidente nacional do PSD (Esfera Brasil/Divulgação)

O presidente do PSD, o ex-ministro Gilberto Kassab, declarou nesta sexta-feira, 25, que apoia a PEC da Transição, porém alertou sobre a necessidade de responsabilidade fiscal.

"O que precisa ser discutido é a extensão dessa PEC, qual a sua dimensão em termos de valores, em termos de prazo. Eu me incluo entre aqueles que apoiam essa PEC, mas acho que é importante também resguardar a responsabilidade fiscal. Não adianta um desequilibro da economia, que vai provocar inflação elevada, juros altos e em dois meses esse auxílio não vale mais nada", disse Kassab durante o evento "Fórum Esfera", realizado na cidade do Guarujá (SP) pelo Grupo Esfera.

Kassab conversou com Renata Abreu, deputada federal e presidente do Podemos, Paulo Câmara (PSB), governador de Pernambuco, Márcio Marcedo, deputado federal (PT-SP), no painel "Os desafios da construção política no País nos próximos quatro anos".

Segundo o ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro das Cidades, "o Congresso e o presidente eleito Lula precisam encontrar um ponto de equilíbrio, pois se não chegar a um compromisso em três meses o presidente Lula vai estar apanhando em todo o Brasil, assim como o Congresso também vai apanhar".

Kassab salientou que o ex-senador Eduardo Suplicy (PT) "tinha razão", pois "no Brasil era necessária uma renda mínima".

"Eu conheço muita gente humilde, muitos amigos que hoje estão comendo graças ao Auxílio Brasil", salientou o ex-ministro, "por isso, o Auxílio Brasil é uma unanimidade, fundamental para muitas famílias".

Confio nas habilidades do presidente Lula, diz Kassab

O ex-prefeito declarou que "o governo foi eleito" e que é formado por "pessoas habilidosas" que deverão "necessariamente somar diversas posições para seguir em frente quatro anos".

"Esse será um governo de centro esquerda, que vai ter que se juntar com o centro" explicou Kassab, "eu tenho confiança que o Lula vai atuar para encontrar um ponto de convergência"

Acompanhe tudo sobre:Gilberto KassabLuiz Inácio Lula da Silva

Mais de Brasil

Governo cria sistema de emissão de carteira nacional da pessoa com TEA

Governo de SP usará drones para estimar número de morte de peixes após contaminação de rios

8/1: Dobra número de investigados por atos golpistas que pediram refúgio na Argentina, estima PF

PEC que anistia partidos só deve ser votada em agosto no Senado

Mais na Exame