Acompanhe:

Em manifesto em defesa da democracia, OAB diz confiar no sistema eleitoral brasileiro

Texto não cita o nome do presidente Bolsonaro, que costuma atacar sem provas as urnas eletrônicas

Modo escuro

Continua após a publicidade
"Temos orgulho e confiança no modelo do sistema eleitoral de nosso país, conduzido de forma exemplar pela Justiça Eleitoral", disse Beto Simonetti. (OAB/Divulgação)

"Temos orgulho e confiança no modelo do sistema eleitoral de nosso país, conduzido de forma exemplar pela Justiça Eleitoral", disse Beto Simonetti. (OAB/Divulgação)

A
Agência O Globo

Publicado em 8 de agosto de 2022 às, 13h46.

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Beto Simonetti, leu nesta segunda-feira o manifesto da entidade em defesa da democracia, no qual prega o respeito à soberania do voto popular e elogia o sistema eleitoral e a Justiça Eleitoral brasileira.

O texto não faz menção ao presidente Jair Bolsonaro, que costuma atacar sem provas as urnas eletrônicas usadas no Brasil e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). No manifesto, lido durante sessão do Conselho Pleno da OAB, ele tentou afastar a entidade do jogo partidário, dizendo que ela não é defensora nem apoiadora de governo, partidos e candidatos.

"Defendemos e protegemos a democracia. Temos orgulho e confiança no modelo do sistema eleitoral de nosso país, conduzido de forma exemplar pela Justiça Eleitoral. O Brasil conta com a OAB para zelar pelo respeito à Constituição, afastando os riscos de rupturas democráticas e com preservação das instituições e dos poderes da República", destacou o presidente da OAB.

"Esse é o compromisso verdadeiro da Ordem dos Advogados do Brasil, de sua diretoria nacional, de seus conselheiros federais, do colégio de presidentes seccionais, e de membros honorários vitalícios. Viva o Brasil, viva a democracia brasileira", completou.

LEIA TAMBÉM: Lula e Janja aderem à carta pela democracia da USP

Ele também afirmou que a OAB continuará cumprindo suas missões, como representar a advocacia e defender o Estado Democrático de Direito, os direitos e garantias individuais, o modelo federativo, a divisão e a harmonia entre os poderes da República, e o voto secreto, periódico e universal.

"O papel da OAB nas eleições é como representante da sociedade civil, acompanhar o processo junto Tribunal Superior Eleitoral e demais órgãos. Pugnamos por eleições limpas, livres, com a prevalência da vontade expressa pelo eleitorado por meio do voto, o que vale para todos os cargos em disputa", afirmou Simonetti.

"A OAB não é apoiadora ou opositora de governo, partidos e candidatos. Nossa autonomia crítica assegura que dignidade e força para nossas ações de amparo e intransigente defesa ao Estado Democrático de Direito", destacou.

 Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias sobre o Brasil. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Antes de ler o manifesto, ele chamou atenção para o ambiente político conflagrado atualmente e disse que a sociedade brasileira tem sofrido muito com isso. Afirmou também que outros manifestos em defesa da democracia terão o apoio da OAB, mas desde que afastados das "paixões partidárias". E destacou que a OAB vai manter a distância necessária de qualquer paixão política.

"Concordamos com o teor de todos os manifestos desde que não se confundam com as paixões partidárias. Todos os manifestos que tenham o único condão de defender a democracia, a soberania do voto popular, o Estado Democrático de Direito, estaremos aliados e na mesma página da história", disse Simonetti.

(O Globo)

LEIA TAMBÉM:

Ser pago para dormir? Empresa no Brasil busca "especialista em dormir"; salário é de R$ 5 mil

Dia dos Pais 2022: sete restaurantes em São Paulo para comemorar a data

Preço do diesel está 14% acima do praticado no mercado internacional, diz Abicom

Últimas Notícias

Ver mais
TSE determina que plataformas removam conteúdo eleitoral 'sabidamente inverídico'
Brasil

TSE determina que plataformas removam conteúdo eleitoral 'sabidamente inverídico'

Há 16 horas

STF considera mudança nas 'sobras eleitorais' inconstitucional, mas mantém deputados eleitos em 2022
Brasil

STF considera mudança nas 'sobras eleitorais' inconstitucional, mas mantém deputados eleitos em 2022

Há 17 horas

Bancar privilégio a filhos de diplomatas no exterior inverte objetivos da República, diz Cármen
Brasil

Bancar privilégio a filhos de diplomatas no exterior inverte objetivos da República, diz Cármen

Há 18 horas

STF determina que demissão de concursados em estatais precisa de 'fundamento razoável'
Brasil

STF determina que demissão de concursados em estatais precisa de 'fundamento razoável'

Há 20 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais