Acompanhe:

Em greve há 45 dias, servidores da Unicamp ocupam Reitoria

Reitor Marcelo Knobel diz que a situação financeira da universidade paulista impossibilita o reajuste solicitado pelos servidores

Modo escuro

Continua após a publicidade
Em greve há 45 dias, os servidores da Unicamp ocuparam a Reitoria e fizeram bloqueios em entradas do campus (Facebook/ Unicamp/Divulgação)

Em greve há 45 dias, os servidores da Unicamp ocuparam a Reitoria e fizeram bloqueios em entradas do campus (Facebook/ Unicamp/Divulgação)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 5 de julho de 2018 às, 12h16.

São Paulo - Em greve há 45 dias, os servidores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) ocuparam a Reitoria e fizeram bloqueios em entradas do campus para reivindicar aumento salarial e de benefícios. O reitor Marcelo Knobel diz que a situação financeira da universidade paulista impossibilita o reajuste solicitado.

Os servidores pedem que o vale-alimentação seja reajustado de R$ 850 para R$ 1.080. A instituição propôs pagar R$ 950. Os funcionários também reivindicam reajuste de 12,6%, mas a proposta da Unicamp é de 1,5%.

"Vivemos uma situação financeira bastante delicada, com a previsão de chegar ao fim do ano com um déficit de R$ 240 milhões. Os valores que propusemos são o máximo que podemos dar neste momento. Mais do que isso é impossível", diz Knobel.

Os servidores ocuparam o prédio administrativo da reitoria na terça-feira, dia 3. Eles dizem que querem discutir o reajuste do vale-alimentação e o desconto dos dias parados.

A Unicamp também ingressou com uma ação judicial após o sindicato ter feito um bloqueio nas entradas de acesso ao campus. Nesta quarta-feira, 4, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) determinou multa de R$ 5 mil ao sindicato a cada vez que houver bloqueio.

Universidades

O Cruesp, conselho de reitores de USP, Unicamp e da Universidade Estadual Paulista, propôs reajuste de 1,5%, sob justificativa de restrições financeiras. O Fórum das Seis - entidade que representa sindicatos de professores e funcionários das três instituições - pedia 12,6%. O valor é necessário, diz a entidade, para compensar as perdas salariais dos últimos cinco anos.

Os reitores alegam que as universidades não têm condições financeiras para um reajuste maior. Na Unicamp, por exemplo, o reajuste de R$ 100 no vale-alimentação representa R$ 11,5 milhões a mais nas contas.

Em 2017, o Cruesp não deu reajuste, alegando "alto comprometimento de orçamento com a folha de pagamento". À época, o gasto com salários superava em 4% os repasses que as instituições recebem do Estado. As três estaduais recebem cota fixa de 9,57% da arrecadação estadual do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Nos primeiros cinco meses deste ano, nenhuma das três universidades ultrapassou o repasse com o gasto com servidores. As entidades receberam R$ 3,93 bilhões do Estado, sendo R$ 3,61 bilhões para o pagamento dos salários.

Últimas Notícias

Ver mais
Universidades e institutos federais marcam greve a partir de segunda
Brasil

Universidades e institutos federais marcam greve a partir de segunda

Há 17 horas

Governo francês apresenta plano para acalmar agricultores
Mundo

Governo francês apresenta plano para acalmar agricultores

Há uma semana

Condomínios universitários: empresa projeta crescer 30% com investimento em moradias personalizadas
Um conteúdo Bússola

Condomínios universitários: empresa projeta crescer 30% com investimento em moradias personalizadas

Há uma semana

Como as greves dos funcionários do Banco Central afetam as fintechs
Um conteúdo Bússola

Como as greves dos funcionários do Banco Central afetam as fintechs

Há 2 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais