Brasil

Doria visita hospital de campanha e anuncia recursos em SP

Ações do estado para conter o coronavírus também têm levado a embates com o presidente Jair Bolsonaro

João Dória: São Paulo tem quase metade do número de casos de coronavírus no Brasil (Governo de SP/Divulgação)

João Dória: São Paulo tem quase metade do número de casos de coronavírus no Brasil (Governo de SP/Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 27 de março de 2020 às 06h38.

Última atualização em 27 de março de 2020 às 06h54.

Depois de mais de uma semana de entrevistas diárias no Palácio dos Bandeirantes, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), vai anunciar nesta sexta-feira, 27, as novas medidas para combate ao coronavírus no Estádio do Pacaembu.

Ao lado do prefeito da capital, Bruno Covas (PSDB), Doria vai visitar as instalações do hospital de campanha que está sendo levantado no local para atender pacientes diagnosticados com a Covid-19.

O espaço contará com 200 leitos de baixa complexidade, cada um com um respirador mecânico. Inicialmente, a expectativa é que o hospital entrasse em operação hoje, mas a equipe do governador diz que ainda está em obras.

A administração do hospital ficará a cargo do Hospital Israelita Albert Einstein, que contratará mais de 1.500 profissionais para as equipes que atenderão no local. O total de verbas destinadas para a construção das acomodações é de 35 milhões de reais. Nos próximos dias, haverá também o lançamento do hospital de campanha na Arena Anhembi, que contará com 1.800 leitos.

As vagas serão destinadas a pessoas que estão em atendimento em Unidades Básicas de Saúde e hospitais públicos. Não serão usadas para pacientes em estado grave, que estiverem em Unidades de Terapia Intensiva (UTI).

Na visita de hoje, está previsto, ainda, um anúncio sobre os repasses que o Estado fará à capital paulista para enfrentamento da doença. Ontem, Doria divulgou que vai repassar, a partir de 3 de abril, um total de 218 milhões de reais para 80 municípios com mais de 100.000 habitantes no estado.

As cidades foram escolhidas para serem referência médico-hospitalar do Centro de Contingência do Coronavírus no interior do estado. “O dinheiro deverá ser usado integralmente pelas prefeituras. Há mecanismos de controle e acompanhamento por parte do governo do estado de São Paulo para ajudar no combate à covid-19 e no atendimento de pessoas em situação de vulnerabilidade social”, disse.

São Paulo é o epicentro da pandemia de coronavírus no Brasil. O último boletim divulgado na quinta-feira, 26, mostra que o estado tem 1.052 dos  2.915 casos confirmados no Brasil, além de 58 das 77 mortes. O estado está em quarentena obrigatória deste terça-feira, 24, com somente serviços essenciais sendo autorizados a funcionar, como restaurantes, supermercados e farmácias.

A quarentena levou a um embate entre Doria e o presidente Jair Bolsonaro. Em uma videoconferência entre governadores e Bolsonaro, Doria ouviu do presidente que “subiu à sua cabeça a possibilidade de ser presidente da República”, segundo o site Poder360. Apesar de Bolsonaro criticar a paralisação dos negócios no Brasil e pedir o retorno de parte da atividade, os governadores devem continuar a não arredar o pé.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusExame HojeJoão Doria Júnior

Mais de Brasil

Brasil fica entre os piores em teste de criatividade do Pisa; conheça as questões

Linha 9-Esmalda da CPTM opera com intervalo maior entre estações nesta terça-feira, 18

Uma mulher é estuprada no país a cada 46 minutos; vítimas mais frequentes têm de 10 a 14 anos

Negros foram 76,5% das vítimas de homicídio no Brasil em 2022, aponta 'Atlas da Violência'

Mais na Exame