Brasil

Delegado Da Cunha tem arma e distintivos devolvidos pela Polícia Civil de SP

Ele é alvo de processos administrativos por xingar colegas e suspeita de forjar prisões

Da Cunha compartilhou um vídeo no qual aparece recebendo os documentos e sua pistola de volta (PROGRESSISTAS/Flickr)

Da Cunha compartilhou um vídeo no qual aparece recebendo os documentos e sua pistola de volta (PROGRESSISTAS/Flickr)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 28 de julho de 2023 às 10h26.

Última atualização em 28 de julho de 2023 às 18h10.

A Polícia Civil de São Paulo (PC-SP) devolveu a arma e os distintivos do delegado Carlos Alberto da Cunha, conhecido Delegado Da Cunha. Atualmente no cargo de deputado federal pelo PP-SP, o parlamentar usou as redes sociais para comemorar a decisão, nesta quinta-feira.

Ele é alvo de processos administrativos por xingar colegas e suspeita de forjar prisões, filmá-las e divulgá-las em seu canal no YouTube.

" Fui vítima de uma perseguição extremamente covarde do anterior governador e do anterior delegado geral. E a justiça tarda mas não falha — disse Da Cunha, sem citar nomes.

Da Cunha compartilhou um vídeo no qual aparece recebendo os documentos e sua pistola de volta.

"Hoje à tarde eu estive na Delegacia Geral de Polícia. Por uma decisão administrativa do delegado-geral de Polícia foi restituída minha carteira funcional antiga — afirmou. — Hoje ganhei também minha carteira funcional nova de delegado de polícia. E foi devolvida minha pistola 9mm de carga da Polícia Civil, com um documento — acrescentou.

Afastamento do cargo

Da Cunha chegou a ser afastado de suas funções em julho de 2021, quando a Corregedoria da Polícia Civil de São Paulo instaurou um processo administrativo por suspeita de peculato.

A prática consiste na apropriação, por parte de um funcionário público, de um bem a que ele tenha acesso por causa do cargo que ocupa, em benefício próprio ou de outras pessoas.

Da Cunha foi indiciado por utilizar a estrutura da Polícia Civil para gravar vídeos de operações oficiais que foram exibidos em suas redes sociais particulares, como no YouTube.

A investigação apontou que o delegado pagava até R$ 14 mil por mês para equipe de filmagem. Atualmente, ele tem dois milhões de seguidores no Instagram.

A Corregedoria da Polícia Civil também investigou Da Cunha por uma suposta lavagem de dinheiro. Este processo administrativo tratava de uma possível tentativa de o agente ocultar quase R$ 500 mil pagos a ele por um empresário do ramo de sucatas. O delegado ainda foi alvo de um inquérito do Ministério Público, que apurava possível enriquecimento ilícito.

No vídeo compartilhado nesta quinta-feira, Da Cunha agradeceu ao governador Tarcísio de Freitas (Republicanos), o secretário de Segurança Pública do estado, Guilherme Derrite, e ao delegado-geral de São Paulo, Artur Dian

Leia também:

Acompanhe tudo sobre:Polícia Civilsao-paulo

Mais de Brasil

Em discussão em SP e Paraná, "privatização" de escolas tem apenas um projeto em operação no Brasil

Passe livre para estudantes pode ser padronizado; entenda o que deve mudar com projeto do Senado

Eleições: PL e PT vão receber os maiores valores do fundo eleitoral; veja valor para cada partido

Comissão do Senado deve votar novo Ensino Médio nesta terça-feira; veja o que pode mudar

Mais na Exame