Concurso Nacional Unificado: inscrições terminam nesta sexta; saiba como escolher seu bloco

O candidato que já fez a inscrição pode trocar de bloco até amanhã

Concurso Nacional Unificado, também conhecido como "Enem dos Concursos" (Caiaimage/Sam Edwards/Getty Images)

Concurso Nacional Unificado, também conhecido como "Enem dos Concursos" (Caiaimage/Sam Edwards/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 8 de fevereiro de 2024 às 13h31.

As inscrições para o Concurso Nacional Unificado terminam nesta próxima sexta-feira, até às 23h59. O chamado “Enem dos concursos” recebeu mais de 1,7 milhões de inscritos, número recorde para qualquer concurso público realizado no país, segundo informações do Ministério de Gestão e Inovação em Serviços Públicos (MGI).

No momento da inscrição, os candidatos devem optar por uma das oito áreas de atuação (veja abaixo). Depois, deverá indicar o cargo por ordem de preferência entre as vagas disponíveis no bloco escolhido. Ou seja, os participantes vão concorrer a mais de um cargo, dentro da área escolhida.

A classificação, na prática, vai depender da exigência do diploma para a vaga. Ou seja, a graduação e/ou especialidade vai ser o critério de corte dentro dos blocos.

O candidato que já fez a inscrição pode trocar de bloco até amanhã. Para os cargos de nível superior, a taxa de inscrição é de R$90, enquanto para o bloco de cargos de nível médio o valor é de R$60. O período de pedido de isenção já foi encerrado.

Quais os blocos?

  1. Infraestrutura, Exatas e Engenharias (727 vagas)
  2. Tecnologia, Dados e Informação (597 vagas)
  3. Ambiental, Agrário e Biológicas (530 vagas)
  4. Trabalho e Saúde do Servidor (971 vagas
  5. Educação, Saúde, Desenvolvimento Social e Direitos Humanos (1.016 vagas)
  6. Setores Econômicos e Regulação (359 vagas)
  7. Gestão Governamental e Administração Pública (1.748 vagas)
  8. Nível Intermediário (692 vagas)

Plataforma única

Como a divisão foi por área, há órgãos que estão em mais de um bloco temáticos. Para se inscrever, o candidato deve acessar sua conta no Gov.br. São aceitos todos os níveis de conta na plataforma (ouro, prata ou bronze). Os participantes vão precisar preencher os formulários e anexar os documentos exigidos no edital.

Estimativa preliminar

Inicialmente, o governo estimava que o concurso deveria receber de 2 milhões a 3 milhões de inscritos até o fim do período.

Os 21 órgãos que aderiram a esse certame vão selecionar majoritariamente candidatos de nível superior. Das 6.640 vagas previstas, 5.948 são para quem tem graduação, e 692 são de nível médio. Há salários de até R$ 23 mil.

Com aplicação em todos os estados e no Distrito Federal, em um só dia, o Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI), comandado por Esther Dweck, quer descentralizar a realização dos concursos. A perspectiva é que esse modelo de concurso público pode ser feito a cada dois anos.

Ou seja, atingir candidatos que não têm condições de viajar para Brasília ou para grandes metrópoles para realizarem as provas. O impacto orçamentário anual será de R$ 2 bilhões com a entrada dos novos servidores.

Acompanhe tudo sobre:Concursos públicosEmpregos

Mais de Brasil

Conflitos por terra batem recorde no Brasil no primeiro ano do governo Lula

Cármen Lúcia mantém condenação de Deltan por Power Point contra Lula

Risco fiscal está 'drenando oportunidades' do Brasil, diz Tarcísio

Fluxo de passageiros para o exterior cresce pelo 24º mês seguido mostra Anac

Mais na Exame