Brasil

Com liminar adiada, STF deve analisar habeas corpus de Maluf e Palocci

ÀS SETE - A decisão de adiar a votação sobre prisão após 2ª instância deixou livre a pauta do Supremo para outras decisões

Palocci: ele ocupou o cargo de ministro da Fazenda durante praticamente todo o primeiro mandato de Lula (Rodolfo Buhrer/Reuters)

Palocci: ele ocupou o cargo de ministro da Fazenda durante praticamente todo o primeiro mandato de Lula (Rodolfo Buhrer/Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 11 de abril de 2018 às 06h45.

Última atualização em 11 de abril de 2018 às 07h31.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva terá de esperar ao menos até a semana que vem para saber se tem chance de deixar a prisão. Estava marcado para esta quarta-feira a apresentação de uma liminar ao plenário do Supremo Tribunal Federal que pretendia suspender detenção de condenados em segunda instância, o que favoreceria diretamente o caso do petista, preso no último sábado. Mas o relator, ministro Marco Aurélio Mello, decidiu adiar por cinco dias a análise da ação após recuo do PEN, partido que protocolou o pedido.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

O presidente do PEN, Adilson Barroso, resolveu tirar o assunto de pauta pelo fato de sua reclamação favorecer Lula. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Barroso disse que seu partido é de “direita” e não tinha a intenção “defender” petista. “Entramos com esse processo há dois anos pensando na sociedade e não em petista”, disse.

O advogado do partido era Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay. Era, porque foi demitido ao entrar com a liminar no Supremo, já que a ministra Cármen Lúcia, presidente da Corte, recusava-se a pautar a ação do PEN. Barroso disse que havia sido convencido pelo advogado no passado de que uma porção de réus poderiam ser absolvidos nos tribunais superiores. Contrariado com a associação ao caso de Lula, tomou sua procuração para que o assunto não avançasse.

Deu certo. “O partido requer a suspensão do processo pelo prazo de 5 dias, objetivando a análise, pelos patronos recentemente credenciados, do tema em discussão.(…) Defiro o pedido de suspensão do processo, no estágio em que se encontra, pelo prazo assinalado”, diz a decisão do ministro.

A pauta, portanto, será a definida por Cármen Lúcia, que aprecia habeas corpus do ex-ministro Antonio Palocci e do deputado federal afastado Paulo Maluf (PP-SP).

A manobra inicial era forçar o adiamento da revisão de prisões em segunda instância, pois os pedidos de liberdade têm preferência nos julgamentos. No fim, a estratégia foi inútil.

Acompanhe tudo sobre:Antonio PalocciÀs SeteExame HojeLuiz Inácio Lula da SilvaPaulo MalufSupremo Tribunal Federal (STF)

Mais de Brasil

Manifestantes voltam à Avenida Paulista para ato contra o PL do Aborto

Greve nas universidades federais: o que reivindicam os professores e quais são as ofertas do governo

Enel confirma a Lula investimento de R$ 20 bi para acabar com apagões

Enchentes paralisaram 63% das indústrias gaúchas, revela pesquisa

Mais na Exame