Brasil

Com bateria de nióbio, Volkswagen lança protótipo de ônibus elétrico que carrega em 10 minutos

A tecnolgia está sendo desenvolvida pela Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM) e a Toshiba, em parceria com a Volkswagen Caminhões e Ônibus

Niobiumnb: novo modelo promete recarga em 10 minutos (Volks/Divulgação)

Niobiumnb: novo modelo promete recarga em 10 minutos (Volks/Divulgação)

André Martins
André Martins

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 19 de junho de 2024 às 12h01.

Última atualização em 19 de junho de 2024 às 12h17.

A Volkswagen Caminhões e Ônibus, a Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM) e a Toshiba, iniciam nesta quarta-feira, 19, os primeiros testes de operação real de um protótipo de ônibus elétrico movido a bateria de íons de lítio com nióbio. A nova tecnologia, desenvolvida em parceria pelas três empresas, promete uma recarga ultrarrápida, em que o veículo pode atingir a carga máxima em apenas 10 minutos.

"Será uma geração para o futuro da mobilidade", diz Roberto Cortes, CEO da Volkswagen Caminhões e Ônibus, em entrevista à EXAME.

Leia mais: Não pedimos subsídios, queremos incentivos, diz CEO da Volkswagen Caminhões sobre descarbonização 

Cortes explica que o projeto começou 2019, com a CBMM e a Toshiba desenvolvendo a tecnologia de óxidos mistos de titânio com adição de nióbio para o ânodo das células das baterias de íons de lítio, conhecida como NTO. Em 2021, a Volkswagen foi convidada para participar do projeto.

"Será a primeira bateria com essa tecnologia para utilização automotiva em um veículo comercial. Pelo fato do ineditismo e como somos pioneiros no Brasil no desenvolvimento, fabricação e venda de veículos elétricos, fomos procurados para entrar na discussão da viabilidade de aplicação do veículo", explica.

Na prática, a tecnologia de bateria de nióbio vai permitir que os veículos rodem 24 horas sem a necessidade de um longo período de carregamento. Outra promessa da nova tecnologia é que a bateria terá vida útil até três vezes superior às convencionais.

Hoje, os caminhões e ônibus elétricos da montadora com bateria tradicional têm um sistema de carregamento configurado para o período noturno. O e-Volksbus, por exemplo, é o primeiro ônibus elétrico feito 100% no Brasil com capacidade de 22 toneladas e autonomia de até 250 km. O tempo mínimo de carregamento do veículo é de até 1 hora (dois plugins) e máximo de cerca de 2,5 horas (um plugin).

Sobre o provável valor do ônibus quando for a mercado, o CEO da Volkswagen Caminhões e Ônibus afirma que o projeto ainda está em fase embrionária e é necessário mais tempo para entender a viabilidade.

"Obviamente o preço inicial dessa nova tecnologia é bem superior que o diesel, que já tem uma economia de escala. Por isso, defendemos políticas públicas para o desenvolvimento dessas novas tecnologias", explica.

As empresas não divulgaram o total de investimentos para o desenvolvido da tecnologia. A CBMM informa que investe, anualmente, cerca de R$ 250 milhões em seu programa de tecnologia. Deste montante, em 2023, somente o programa de baterias recebeu R$ 80 milhões.

Como serão os testes do protótipo

O veículo vai rodar diariamente numa rota fixa, com a recarga no pantógrafo prevista no início ou fim do trajeto. A operação fornecerá dados ​​tanto sobre as características da bateria NTO quanto do veículo, com o objetivo de sinalizar ajustes necessários para futura comercialização.

Nesta fase, todos os componentes serão monitorados em tempo real para análise de seu comportamento e para assim alimentar os processos de melhoria e desenvolvimento da tecnologia. Somente após essa fase será possível determinar os próximos passos para o lançamento do ônibus elétrico. Com relação à bateria com tecnologia NTO, a expectativa é que esteja disponível no mercado em 2025.

Configurado sobre um chassi de 18 toneladas, o protótipo de ônibus tem autonomia estimada em 60 quilômetros, com um tempo de recarga de 10 minutos em pantógrafo de 300 kW. O veículo é equipado com quatro packs de baterias de lítio com ânodo contendo Nióbio, cada um deles com capacidade útil de até 30kWh.

Segundo a Volkswagen, o período de testes é indeterminado e será definido de acordo com a evolução da aplicação. No médio prazo, a ideia é expandir para produção de uma pequena frota destinada aos testes.

Acompanhe tudo sobre:VolkswagenÔnibus

Mais de Brasil

Conselho proíbe internação de crianças e adolescentes em comunidades terapêuticas

Casas de apostas terão que comunicar operações suspeitas ao Coaf e classificar risco de apostadores

Lula assina decreto reajustando Bolsa Atleta em 10,86%

Base Aérea de Canoas funcionará 24 horas por dia

Mais na Exame