Brasil

Câmara aprova projeto que suspende pagamento do Fies na pandemia

A proposta suspende os pagamentos de amortização do saldo devedor; juros incidentes; quitação das parcelas oriundas de renegociações de contratos

Fies: pagamento do financiamento será suspenso até o fim do ano (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Fies: pagamento do financiamento será suspenso até o fim do ano (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 18 de junho de 2020 às 19h20.

Câmara aprovou o texto-base do projeto que suspende a cobrança das mensalidades do Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies) até 31 de dezembro em razão da pandemia do novo coronavírus.

A proposta já foi votada pela Câmara em maio, mas sofreu alterações no Senado e, por isso, retornou à Casa de origem. Deputados avaliam agora os destaques ao texto.

A mudança feita pelos senadores foi estender a suspensão até o fim do ano. Antes, a Câmara tinha aprovado um período de dois meses prorrogáveis por dois meses.

O Fies é um programa do governo federal que financia a graduação no ensino superior para alunos que não têm condições de pagar a universidade privada. O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) opera o Fies.

O programa do governo federal é destinado a financiar a graduação de estudantes matriculados em faculdades particulares. Pela proposta, estudantes adimplentes ou com atrasos de no máximo 6 meses são beneficiados.

Se a lei for sancionada, ficarão suspensos os pagamentos de amortização do saldo devedor; eventuais juros incidentes; quitação das parcelas oriundas de renegociações de contratos, por parte dos estudantes beneficiários.

Acompanhe tudo sobre:Câmara dos DeputadosCoronavírusFies

Mais de Brasil

Professores decidem manter greve nas universidades federais após nova oferta do governo Lula

Ao lado de Bolsonaro, Tarcísio e provável vice, Nunes diz que chapa será anunciada na semana que vem

FAB encerra neste sábado recebimento de doações ao Rio Grande do Sul

Censo 2022: Brasil tem 106,8 milhões de endereços, um aumento de 19,5% em relação ao Censo anterior

Mais na Exame