Brasil
Acompanhe:

Brasil tem de avançar no social e no fiscal, que andam juntos, diz Persio Arida

Membro da equipe de transição para o governo Lula, o ex-presidente do Banco Central defendeu a necessidade de o Brasil avançar no âmbito fiscal e no social durante evento em NY

Persio Arida: "É necessário avançar nos dois fronts, não vejo nenhuma oposição entre um e outro, pelo contrário: se avançar num front e não avançar no outro, mais cedo ou mais tarde vai ser incapaz de fazer qualquer avanço" (Nelson Ching/Bloomberg/Bloomberg)

Persio Arida: "É necessário avançar nos dois fronts, não vejo nenhuma oposição entre um e outro, pelo contrário: se avançar num front e não avançar no outro, mais cedo ou mais tarde vai ser incapaz de fazer qualquer avanço" (Nelson Ching/Bloomberg/Bloomberg)

E
Estadão Conteúdo

15 de novembro de 2022, 14h28

O ex-presidente do Banco Central Persio Arida, membro da equipe de transição de governo, defendeu a necessidade de o Brasil avançar no âmbito fiscal e no social.

Segundo ele, ambas caminham juntas, e não separadas nem opostas. "Do ponto de vista substantivo, sabemos que responsabilidade fiscal e responsabilidade social vão juntas, elas não são separadas ou opostas", afirmou Arida, em evento do Grupo de Líderes Empresariais (Lide) na manhã desta terça-feira, 15, em Nova York.

LEIA TAMBÉM: PEC da Transição entra em semana decisiva. Veja o que está em jogo

E acrescentou: "É necessário avançar nos dois fronts, não vejo nenhuma oposição entre um e outro, pelo contrário: se avançar num front e não avançar no outro, mais cedo ou mais tarde vai ser incapaz de fazer qualquer avanço."

Arida entrou no tema após questionamentos quanto à reação do mercado financeiro na semana passada quando o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva criticou "a tal da estabilidade fiscal" e defendeu a ampliação de gastos públicos para combater a miséria.

Ao falar a uma plateia de empresários, políticos, ministros e banqueiros, ele pediu desculpas por não poder trazer tantos detalhes dos planos do futuro governo, uma vez que integra a equipe de transição.

Segundo Arida, há inúmeros casos na América Latina, e mesmo no mundo desenvolvido, em que políticas sociais feitas sem responsabilidade fiscal geraram crise macroeconômica, que acabou inviabilizando as realizações sociais. Além disso, a adoção de uma política social sem fiscal "tira a base de sustentação das políticas macroeconômicas", ponderou.

LEIA TAMBÉM: Entenda por que o mercado financeiro ficou ‘nervoso’ após Lula questionar estabilidade fiscal’

No evento, Arida também defendeu a importância de eliminar os subsídios do crédito no Brasil. A medida contribuiria para o crescimento da economia brasileira bem como dos empréstimos, segundo ele. "Os subsídios creditícios têm de ser eliminados. Seria um enorme avanço. Temos de avançar em eliminar a redução do subsídio", disse.

Arida mencionou ainda a importância de medidas que contribuam para o fortalecimento das garantias atreladas aos empréstimos e ainda do desenvolvimento do mercado de capitais.

Também presente no evento, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse que o crédito tem de ser olhado não só do lado da quantidade, mas da qualidade.

Ele observou que o Brasil atravessou a pandemia com crescimento de 20% nos empréstimos. "Adotamos várias medidas para que empresas grandes fossem direto para o mercado de capitais para abrir mais espaço no balanço dos bancos para atender pequenas e médias empresas", lembrou.

Campos Neto destacou ainda que os balanços dos bancos são "engessados", com exigências de direcionamento dos recursos captados. Segundo ele, esse é um tema que tem de ser direcionado pois funciona como a "meia entrada", que por fim, pode crescer e elevar o custo geral.

As falas de Campos Neto foram feitas após apresentação do presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Isaac Sidney, que disse que o mercado de crédito no Brasil tem potencial de crescimento. Ele atentou ainda quanto à importância de avanço de medidas que reforcem as garantias atreladas ao financiamentos em andamento no Congresso brasileiro.

*O repórter viajou a convite do Lide