Brasil

Brasil deve receber 3 milhões de doses de vacina perto do fim da validade

Segundo Queiroga, o lote da vacina da Janssen precisa de autorização do FDA, espécie de Anvisa norte-americana, para ser enviado ao Brasil

 (Henry Nicholls/File Photo/Reuters)

(Henry Nicholls/File Photo/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 8 de junho de 2021 às 21h06.

O Brasil deve receber nos próximos dias dos Estados Unidos um primeiro lote de 3 milhões de doses de vacina contra Covid-19 da Janssen, da multinacional Johnson & Johnson, com data de validade de 27 de junho, disse o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em depoimento à CPI da Covid do Senado nesta quinta-feira.

Queiroga foi questionado pelo vice-presidente da comissão, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), sobre o fato de o país poder receber o imunizante próximo ao prazo de validade.

"Em relação à Janssen, é procedente, um prazo mais curto, isso foi pactuado com o PNI, com o Conass e com o Conasems e entendemos que temos de fazer uma estratégia para aplicar essas 3 milhões de doses num prazo muito rápido para não vencer vacinas", respondeu o ministro.

Segundo Queiroga, o lote da vacina da Janssen precisa de autorização do FDA, espécie de Anvisa norte-americana, para ser enviado ao Brasil. Ele admitiu a possibilidade de perda desses imunizantes, se houver demora no posicionamento do FDA.

"Naturalmente que se tardar o posicionamento do FDA, essas 3 milhões de doses podem não ser mais úteis pra nós, não é? Por conta da exiguidade de prazo", reconheceu.

Queiroga disse que esse lote de vacinas da Janssen é uma antecipação porque estavam inicialmente previstas para chegar apenas no último trimestre do ano.

O país fechou um acordo no qual vai receber 38 milhões de doses desse imunizante, o único em uso no Brasil que poderia ser aplicado em dose única.

Quer saber tudo sobre o ritmo da vacinação contra a covid-19 no Brasil e no mundo? Assine a EXAME e fique por dentro.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusJohnson & JohnsonMarcelo QueirogaSaúde no Brasilvacina contra coronavírusVacinas

Mais de Brasil

Censo 2022: Brasil tem 106,8 milhões de endereços, um aumento de 19,5% em relação ao Censo anterior

Um em cada oito endereços do Brasil fica dentro de condomínios, indica Censo

Censo: quase um quarto dos endereços do Brasil não tem número; confira o ranking por estado

Dos 33 deputados favoráveis ao PL que equipara aborto a homicídio, 11 são mulheres

Mais na Exame