Brasil

Bolsonaro transfere Coaf para as mãos de Sérgio Moro, na Justiça

Conselho é responsável por ações de inteligência para prevenir a lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio e o financiamento do terrorismo

Moro: Coaf foi transferido do extinto Ministério da Fazenda para o Ministério da Justiça (Adriano Machado/Reuters)

Moro: Coaf foi transferido do extinto Ministério da Fazenda para o Ministério da Justiça (Adriano Machado/Reuters)

AB

Agência Brasil

Publicado em 2 de janeiro de 2019 às 11h04.

Última atualização em 10 de janeiro de 2019 às 20h21.

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) foi transferido do extinto Ministério da Fazenda para o Ministério da Justiça e Segurança Pública, controlado pelo ex-juiz Sérgio Moro.

A alteração está na medida provisória (MP) nº 870, divulgada na noite desta terça-feira (01), em edição extra do Diário Oficial da União. A medida provisória trouxe a organização dos órgãos da Presidência da República e dos ministérios.

Além da MP, nesta quarta-feira (02), um decreto com o estatuto do Coaf foi publicado com o conselho integrando o Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Na MP, ficou definido que o presidente do Coaf será indicado pelo ministro de Estado da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, e nomeado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro.

Em outros decretos publicados hoje no Diário Oficial da União, Bolsonaro exonerou o atual presidente do Coaf, Antônio Carlos Ferreira de Sousa, e nomeou Roberto Leonel de Oliveira Lima para o cargo. Lima é auditor-fiscal da Receita Federal a atuava na força-tarefa da Operação Lava Jato.

O Coaf é responsável por ações de inteligência para prevenir a lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio e o financiamento do terrorismo. Ele ganhou notoriedade nos últimos tempos após o vazamento de um relatório do órgão, que constatou movimentações atípicas de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e amigo do presidente Jair Bolsonaro.

O relatório apontava inclusive um depósito de R$ 24 mil para a hoje primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Acompanhe tudo sobre:CoafGoverno BolsonaroJair BolsonaroMinistério da Justiça e Segurança PúblicaSergio Moro

Mais de Brasil

Câmara aprova projeto que cria cadastro nacional de condenados por violência contra a mulher

Comissão da Câmara aprova projeto de lei para incluir animais domésticos no Censo Demográfico

MPF busca solução para liberar 400 estrangeiros retidos no aeroporto de Guarulhos

Lula avaliará situação de Juscelino após viagem, diz Jaques Wagner

Mais na Exame