Acompanhe:

Após invasão, Bolsonaro se diz ligado a Trump; Maia e Alcolumbre criticam

Presidente da República reiterou, novamente sem apresentar evidências, que houve "muita denúncia de fraude" na corrida eleitoral americana

Modo escuro

Continua após a publicidade
Jair Bolsonaro com Donald Trump: o presidente brasileiro reluta em reconhecer a derrota eleitoral 
de seu aliado (Alan Santos/PR/Divulgação)

Jair Bolsonaro com Donald Trump: o presidente brasileiro reluta em reconhecer a derrota eleitoral de seu aliado (Alan Santos/PR/Divulgação)

D
Da Redação, com agências

Publicado em 6 de janeiro de 2021 às, 21h00.

Última atualização em 6 de janeiro de 2021 às, 21h21.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira ter acompanhado as cenas da invasão do Capitólio dos Estados Unidos por manifestantes pró-Trump, e reiterou, novamente sem apresentar evidências, que houve "muita denúncia de fraude" na corrida eleitoral na qual o atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi derrotado.

Instado por uma apoiadora a comentar os fatos desta quarta em Washington, Bolsonaro afirmou: "Eu acompanhei tudo hoje. Vocês sabem que eu sou ligado ao Trump, né? Então vocês já sabem qual é a minha resposta".

 

"Agora, muita denúncia de fraude, muita denúncia de fraude. Eu falei isso tempo atrás e a imprensa falou: sem provas, o presidente Bolsonaro falou que Trump foi fraudado nas eleições americanas", acrescentou Bolsonaro, em vídeo veiculado em uma rede social.

Bolsonaro só reconheceu a vitória do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, sobre Trump 38 dias após o pleito americano. Durante esta quarta, o presidente e aliados próximos, como os filhos, permaneceram em silêncio em suas redes sociais, apesar de normalmente serem muito ativos nessas plataformas.

Procurada, a Secretaria de Comunicação da Presidência informou que o Palácio do Planalto não iria comentar os acontecimentos nos Estados Unidos. O Itamaraty, também procurado, não se pronunciou até o momento.

A polícia do Capitólio dos Estados Unidos respondeu com armas em punho e gás lacrimogêneo conforme uma multidão de manifestantes invadia o prédio e tentava forçar o Congresso a desfazer a derrota eleitoral de Trump, logo após alguns dos colegas republicanos do presidente lançaram um último esforço para rejeitar os resultados eleitorais.

Alcolumbre e Maia criticam invasão ao Capitólio

O presidente do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre (DEM-AP), afirmou nesta quarta-feira, 6, que as imagens de invasão ao Capitólio por apoiadores do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, são "inaceitáveis em qualquer democracia e merecem o repúdio e a desaprovação de todos os líderes com espírito público e responsabilidade".

"O Senado Federal brasileiro acompanha atentamente o desenrolar desses acontecimentos, enviando aos congressistas e ao povo americano nossa solidariedade e nosso apoio. Defendo, como sempre defendi, que a democracia deve ser respeitada e que a vontade da maioria deve prevalecer", afirmou Alcolumbre, em nota divulgada à imprensa.

Para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a invasão do Congresso americano por extremistas "representa um ato de desespero de uma corrente antidemocrática que perdeu as eleições". "Fica cada vez mais claro que o único caminho é a democracia, com diálogo e respeitando a Constituição", escreveu Maia no Twitter.

A invasão do Capitólio também foi duramente criticada pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso. Em novembro, Barroso acompanhou as eleições nos Estados Unidos na condição de observador e visitou locais de votação em Maryland e Washington D.C.

"No triste episódio nos Estados Unidos, apoiadores do fascismo mostraram sua verdadeira face: antidemocrática e truculenta. Pessoas de bem, independentemente de ideologia, não apoiam a barbárie. Espero que a sociedade e as instituições americanas reajam com vigor a essa ameaça à democracia", disse Barroso no Twitter.

Últimas Notícias

Ver mais
Eleições EUA: Por que março será importante para a situação de Trump na Justiça
Mundo

Eleições EUA: Por que março será importante para a situação de Trump na Justiça

Há 15 horas

EUA podem enviar ajuda a Gaza e abrir corredor marítimo após morte de palestinos
Mundo

EUA podem enviar ajuda a Gaza e abrir corredor marítimo após morte de palestinos

Há um dia

Biden diz que irá investigar carros chineses sob suspeita de espionagem
Mundo

Biden diz que irá investigar carros chineses sob suspeita de espionagem

Há um dia

Incêndio no Texas é tão grande que pode ser visto do espaço
Mundo

Incêndio no Texas é tão grande que pode ser visto do espaço

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais