Brasil

AGU abre investigação interna para apurar se X vazou informações do STF e pede inquérito criminal

Órgão também quer compartilhamento de inquérito das milícias digitais e contra Musk para eventual responsabilização de rede social

STF: nas últimas semanas, trechos de documentos do STF foram divulgados primeiro pelo jornalista americano Michael Shellenberger (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

STF: nas últimas semanas, trechos de documentos do STF foram divulgados primeiro pelo jornalista americano Michael Shellenberger (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 23 de abril de 2024 às 20h49.

Tudo sobreSupremo Tribunal Federal (STF)
Saiba mais

A Advocacia-Geral da União (AGU) abriu um procedimento interno para investigar a rede social X, o antigo Twitter, pelo vazamento de informações sigilosas do Supremo Tribunal Federal (STF). Em paralelo, o órgão solicitou ao STF que seja instaurada uma investigação sobre eventuais crimes no mesmo episódio.

A AGU abriu um Procedimento Prévio de Coleta de Informações (PPCI), processo que pode levar à responsabilização administrativa e civil do X. Uma das suspeitas é que a "divulgação de informações sigilosas foi uma tentativa de influenciar, obstruir ou retardar investigações".

Governo Lula divulga edital para restaurar Praça dos Três Poderes

Compartilhamento de provas

Para instruir esse processo interno, o órgão solicitou ao ministro Alexandre de Moraes, do STF, o compartilhamento de provas do inquérito das milícias digitais e também da investigação aberta contra o empresário Elon Musk, dono do X, para apurar eventual desobediência de decisões judiciais.

Ao mesmo tempo, a AGU também apresentou a Moraes uma notícia de fato sobre o vazamento de decisões e ofícios do STF e pediu para o caso ser encaminhado ao Ministério Público Federal (MPF), "para averiguação quanto ao efetivo cometimento de eventuais delitos".

Documentos do STF

Para o advogado-geral da União, Jorge Messias, houve uma "tentativa de desestabilizar o Estado Democrático instituído pela Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, a partir da publicação de documentos de cunho sigiloso exarados em processos que tramitam no Supremo Tribunal Federal e no Tribunal Superior Eleitoral".

Nas últimas semanas, trechos de documentos do STF foram divulgados primeiro pelo jornalista americano Michael Shellenberger. Depois, um conjunto maior de ofícios foi publicado por um comitê da Câmara de Representantes dos Estados Unidos.

Acompanhe tudo sobre:Supremo Tribunal Federal (STF)Advocacia-Geral da UniãoAlexandre de MoraesTwitter

Mais de Brasil

Secretário de Turismo diz que 53% das atrações públicas do RS foram danificadas

Prefeito de Canoas diz que reconstrução de prédios públicos demanda mais de R$ 200 milhões

OPINIÃO: Nunca esqueceremos

Enchentes no RS: sobe para 155 o número de mortos; 94 pessoas seguem desaparecidas

Mais na Exame