Acompanhe:

"Aedes do bem" reduz em 80% risco de doenças em Piracicaba

O Aedes transgênico controla a população do parente selvagem, transmissor de doenças como dengue, zika, chikungunya e febre amarela

Modo escuro

Continua após a publicidade
Aedes: a comparação foi feita com área não tratada, que tinha índices semelhantes de infestação pelo mosquito (Getty/Getty Images)

Aedes: a comparação foi feita com área não tratada, que tinha índices semelhantes de infestação pelo mosquito (Getty/Getty Images)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 30 de março de 2017 às, 16h29.

Sorocaba - A soltura de Aedes aegypti geneticamente modificado reduziu em até 80%, em média, a exposição de moradores às doenças transmitidas pela forma selvagem do mosquito em áreas tratadas de Piracicaba, no interior de São Paulo.

No bairro Cecap/Eldorado, a redução de larvas viáveis para transmissão manteve-se em 81% durante todo o ano de 2016. Já no bairro São Judas, na região central, em seis meses de soltura do mosquito transgênico, a supressão de larvas selvagens foi de 78%.

O Aedes transgênico controla a população do parente selvagem, transmissor de doenças como dengue, zika, chikungunya e febre amarela.

Os resultados foram divulgados nesta quinta-feira, 30, pela prefeitura e pela empresa Oxitec, detentora da tecnologia. Nos dois casos, a comparação foi feita com área não tratada, que tinha índices semelhantes de infestação pelo mosquito, quando a soltura foi iniciada nas outras áreas.

Os dados mostram que no bairro Alvorada, que funcionou como testemunha do projeto, a infestação continuou alta.

De acordo com o diretor geral da Oxitec do Brasil, Jorge Espanha, no Cecap/Eldorado, o nível de supressão de larvas potencialmente transmissoras foi mantido mesmo com a redução de 59% na soltura do Aedes transgênico, em 2016, na comparação com 2015, quando o projeto foi iniciado.

"O índice demonstra que o tratamento é eficiente no controle da população selvagem do mosquito", disse Espanha.

O secretário de Saúde de Piracicaba, Pedro Mello, informou que os resultados validam o projeto até agora e que o cronograma de soltura em outros bairros do centro será mantido. "Estamos percebendo que o projeto está fazendo diferença na vida dos moradores desses bairros."

O Aedes transgênico, que a Oxitec registrou como "Aedes do bem", é produzido em laboratório e são selecionados apenas os machos, que não picam e não transmitem doenças. Ao serem liberados no ambiente, eles procuram as fêmeas selvagens e geram descendentes que herdam um gene autolimitante, que faz com que morram antes de atingir a idade reprodutiva.

Um marcador fluorescente permite que esses descendentes sejam identificados no laboratório, facilitando o monitoramento e a avaliação da eficácia do programa.

Ativistas

No início do ano passado, ativistas e pesquisadores entraram com representação no Ministério Público de Piracicaba contra a expansão da soltura de mosquitos transgênicos na região central, alegando falta de comprovação de eficiência e segurança no uso de insetos geneticamente modificados.

Na época, a promotora Renata dos Santos Bastos não acatou o pedido de suspensão da soltura, alegando que os dados questionados já haviam sido objeto de um termo de compromisso entre o MP, a prefeitura e a empresa, e ainda levando em conta que a Organização Mundial de Saúde (OMS) havia recomendado o uso da tecnologia ante o agravamento da epidemia de zika.

A tecnologia do Aedes transgênico foi liberada pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), e a Oxitec negocia projetos com outros municípios.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está elaborando regras para o registro dessa classe de tecnologias de controle de vetores. Após o desenvolvimento dessas regras, a Oxitec poderá requerer a comercialização do "Aedes do Bem".

Últimas Notícias

Ver mais
Enel SP apresenta a Nunes plano de investimento de R$ 6,2 bilhões entre 2024 e 2026
Brasil

Enel SP apresenta a Nunes plano de investimento de R$ 6,2 bilhões entre 2024 e 2026

Há 10 horas

Ônibus aquático é liberado, mas viação responsável é suspeita de elo com PCC
Brasil

Ônibus aquático é liberado, mas viação responsável é suspeita de elo com PCC

Há 20 horas

De menu assinado a comida brasileira: 3 opções de almoço executivo na região da República em SP
Casual

De menu assinado a comida brasileira: 3 opções de almoço executivo na região da República em SP

Há 22 horas

'Não vamos permitir invasões em São Paulo', diz Tarcísio sobre 'abril vermelho' do MST
Brasil

'Não vamos permitir invasões em São Paulo', diz Tarcísio sobre 'abril vermelho' do MST

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais