Brasil

"A expectativa é de que a gente faça a virada", diz Gleisi

Presidente do PT afirmou que está confiante na vitória do partido nas urnas nessas eleições, com o presidenciável Fernando Haddad (

Gleisi Hoffmann, senadora do PT. (Patricia Monteiro/Bloomberg)

Gleisi Hoffmann, senadora do PT. (Patricia Monteiro/Bloomberg)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 28 de outubro de 2018 às 12h56.

Curitiba - A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, votou na manhã deste domingo, 28, em um clube na capital do Paraná, Curitiba. Ela afirmou que está confiante na vitória do partido nas urnas nessas eleições, com o presidenciável Fernando Haddad (PT). Questionada sobre a posição da sigla no caso de derrota, ela disse que não trabalha com essa possibilidade.

"A expectativa é de que a gente faça a virada. O crescimento nos últimos dias foi muito expressivo, a adesão da sociedade à candidatura, terminamos a campanha nas ruas, ao lado do povo, que é a nossa missão. A gente faz essa virada, para o bem do Brasil, da democracia, para que a gente não tenha um governo que coloque a perder tudo o que conquistamos na Constituição de 1988", declarou Gleisi, que se elegeu deputada federal em 2018.

Ela comentou os apoios recebidos por Haddad nos dias que antecederam as eleições, como do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, e do ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

"Acho que são todos apoios que tem a ver com a democracia no País, são pessoas que não são do nosso campo político, têm críticas ao PT, a candidatura, mas têm a consciência do que está em jogo no País, a defesa da democracia", disse.

Sobre a falta de apoio de Ciro Gomes (PDT), Gleisi se limitou a dizer que "cada um tem a sua consciência".

Acompanhe tudo sobre:Eleições 2018Gleisi Hoffmann

Mais de Brasil

Uso de inteligência artificial cresce acende sinal de alerta no TSE para eleições municipais

Inmet emite alerta de 'Perigo' para o RS; PR e SC podem ter ventos de até 100 km/h

Professores encerram greve nas universidades federais de todo o país depois de dois meses

Manifestantes contrários ao PL Antiaborto voltam a ocupar ruas

Mais na Exame