EXAME Agro

Empresas querem 'traduzir' agricultura de precisão para pessoas de baixa escolaridade

Para superar anafalbetismo no campo, Já Entendi Agro propõe curso para operadores de maquinário agrícola, atendendo a uma demanda que parte das fazendas e indústria

Já Entendi Agro: empresa foca em cursos para pessoas de baixa escolaridade; mais de 70% do público atendido pela empresa é analfabeto funcional (Getty Images/Getty Images)

Já Entendi Agro: empresa foca em cursos para pessoas de baixa escolaridade; mais de 70% do público atendido pela empresa é analfabeto funcional (Getty Images/Getty Images)

Mariana Grilli
Mariana Grilli

Repórter de Agro

Publicado em 20 de outubro de 2023 às 19h23.

Colocar uma máquina de milhares de reais na mão de um tratorista tem se tornado um dilema para os gestores de propriedades rurais. Na realidade brasileira, muitos dos operadores de maquinário têm baixa escolaridade, fator que complica a compreensão de termos e da própria atividade na era da inteligência artificial. Foi a partir deste desafio que surgiu a empresa Já Entendi Agro, cuja metodologia de educação foi desenvolvida por Gladys Mariotto.

Após uma experiência extensa na área educacional no Japão, a empresária voltou ao Brasil e começou a focar o negócio, primeiramente, em outros setores. Em 2020, ela se deparou com a oportunidade de atender a uma demanda do agronegócio: traduzir o funcionamento das máquinas agrícolas para os operadores das fazendas. De acordo com ela, entre 70% e 74% do público atendido por ela, nos cursos de agro, é formado por analfabetos funcionais.

"Ele [o funcionário] não precisa fazer um curso de agronomia, mas tem que entender por que aplicar aquela fórmula no solo e quais os riscos de não aplicar. Esse cálculo, até pouco tempo atrás, não fazia diferença. Agora, com a agricultura de precisão, isso tem mais importância", afirma Mariotto.

Por meio de histórias e materiais ilustrativos, os cursos ensinam como evitar os incêndios em tratores, evitar desperdício de insumos, aplicar metodologias de sustentabilidade, entre outros processos relevantes em uma empresa rural. Também é considerada a questão da conectividade, por isso os cursos não necessitam de internet e e-mail. Ao final, há um certificado.

"A Bayer tem um alto nível tecnológico e trouxe essa demanda sobre os operadores de máquina. Com a BRF, tivemos uma ação com as cozinheiras de refeitório, que recebem cursos para menor desperdício e  aproveitamento integral dos alimentos", diz a CEO da Já Entendi Agro. As contratações dos cursos, ela esclarece, têm sido feitas por parte da indústria.

Marketing de educação

Para Ivana Amaral, gerente de marketing de engajamento da Climate FieldView — vertente de agricultura digital da Bayer , a estratégia da empresa de cursos corrobora com o chamado marketing de educação, em que transferência de conhecimento precisa ser palatável para traduzir um conteúdo técnico.

"Termos técnicos e novos, como conceitos agronômicos que não são tão simples de ser compreendidos, e nomenclaturas que envolvem a agricultura digital. Por isso a ideia de trazer o marketing de conteúdo com a educação, criar um stortyteling para envelopar o curso e incluir reconhecimentos, como certificado ou um prêmio", ela explica.

Ivana Amaral conta que a multinacional alemã tem outros parceiros para atender a necessidade educacional no campo, como cursos para gestores de fazenda e distribuidores. "Hoje em dia, a gente vê muito interesse sobre carbono e NDVI [medida da saúde das plantas], pois é um mercado carente de conhecimento técnico, que quer saber até o detalhe", diz.

Acompanhe tudo sobre:AgronegócioEducaçãoPrêmio Mulheres do Agro

Mais de EXAME Agro

"Cachorro-quente de flor"? Conheça o sanduíche feito em Holambra, a "cidade das flores"

Safra de café 2024/25 do Brasil: USDA estima 69,9 milhões de sacas — e aumento em exportações

Governo vai financiar plantação de arroz em outros estados, diz Lula

Importação nos portos do Paraná cresce 14% nos cinco primeiros meses de 2024, impulsionada por trigo

Mais na Exame