EXAME Agro

No passado, alimentar o mundo trazia incalculável influência aos EUA – não mais!

País norte-americano perdeu protagonismo no plantio de soja ao longos anos, mas agora apresenta amplas reservas de outro tipo de mercadoria que muitas nações desejam: gás natural

Navio graneleiro de soja: exportações conjuntas de soja, milho e algodão do Brasil mais que duplicaram na última década, para uma estimativa de 149 milhões de toneladas métricas no período 2022/23 (Paulo Whitaker/Reuters)

Navio graneleiro de soja: exportações conjuntas de soja, milho e algodão do Brasil mais que duplicaram na última década, para uma estimativa de 149 milhões de toneladas métricas no período 2022/23 (Paulo Whitaker/Reuters)

Bloomberg Businessweek
Bloomberg Businessweek

Bloomberg Businessweek

Publicado em 21 de outubro de 2023 às 06h00.

Por Isis Almeida, Gerson Freitas Jr. e  Michael Hirtzer, da Bloomberg Businessweek

Quando a Feira Internacional de Comércio chegou a Zagreb em 1957, a surpresa não foram os passeios de helicóptero ou as exibições de máquinas, mas uma réplica funcional e em tamanho real de um supermercado dos EUA. Construído como a peça central do pavilhão dos EUA, a recriação –  corredor por corredor –  transbordava de frutas frescas, vegetais e carnes que deixaram maravilhados alguns visitantes do que era então a Iugoslávia.

Destacar a abundância agrícola dos EUA à medida que as tensões da Guerra Fria aumentavam não foi por acaso. Quem precisa de campanhas de propaganda sobre os males do comunismo? Basta mostrar aos consumidores por trás da Cortina de Ferro que, numa economia capitalista como a dos EUA, não é preciso fazer fila durante horas para fazer compras em lojas com prateleiras vazias.

Washington havia descoberto que os alimentos poderiam ser uma ferramenta de política durante a Primeira Guerra Mundial, quando os carregamentos de trigo dos EUA se tornaram quase tão importantes no apoio à causa dos aliados europeus que lutavam contra os alemães quanto os carregamentos de armas e munições.

Ao longo de sucessivas administrações, os EUA desenvolveram uma diplomacia de celeiro, utilizando a riqueza agrícola do país como um prêmio e também como castigo. O envio de excedentes de colheitas americanas para o exterior – como ajuda ou exportação – tornou-se uma forma de baixo risco de garantir relações. Proibir a venda de alimentos às potências inimigas revelou-se também um persuasivo instrumento de política externa. “Com o uso adequado”, observou perante o Congresso, o  representante do Arkansas, Lawrence Brooks Hays, em 1954, os excedentes agrícolas da América “podem tornar-se num meio muito mais potente para combater a propagação do comunismo do que a bomba de hidrogênio”.

Earl Lauer Butz, que serviu como secretário do Departamento de Agricultura dos EUA sob os presidentes Richard Nixon e Gerald Ford, foi ainda mais contundente sobre o que chamou de “poder do agro” dos EUA. Falando à Business Week em 1975, logo após encerrar uma viagem por oito países que incluiu um encontro com o presidente egípcio Anwar Sadat, Butz disse que quando ele chegou para a  “visita com trigo no bolso, eles prestaram atenção”.

Hoje, a fonte de energia agrícola dos EUA está diminuindo rapidamente. Sendo o maior exportador mundial de milho, soja e trigo durante grande parte das últimas sete décadas, os EUA enfrentam agora um futuro de persistentes déficits comerciais agrícolas. O déficit para o ano fiscal que termina em 30 de setembro está estimado em US$ 19 bilhões e deverá aumentar para quase US$ 28 bilhões no ano fiscal de 2024, de acordo com as previsões do Departamento de Agricultura.

Esta é uma inversão histórica: desde 1974, os únicos outros déficits anuais ocorreram em 2019 e 2020, durante a guerra comercial do Presidente Donald Trump com a China. A tendência, em parte, é impulsionada por uma mudança nos hábitos alimentares dos americanos – por exemplo, as famílias consomem hoje mais produtos importados, como abacates mexicanos e mangas indianas – mas a estagnação das exportações de cereais e sementes oleaginosas também é um fator.

O que um país perde quando deixa de ser o principal fornecedor mundial de alimentos? Um pouco da sua identidade: durante décadas, a Archer-Daniels-Midland (ADM), a potência do comércio de mercadorias com sede em Chicago, autoproclamou-se como o “supermercado para o mundo” e também como influência global: os governos estrangeiros e as empresas dependentes das colheitas de produtos de base dos EUA foram motivados a agir com gentileza para manter o fluxo de produtos alimentares. No entanto, gradualmente, à medida que o controle dos EUA sobre cadeias de abastecimento agrícolas vitais foi diminuindo, surgiram nações com diferentes agendas e alianças para ocupar o seu lugar. “Isso diminuiu o poder de convencimento dos EUA em todo o mundo”, diz Scott Reynolds Nelson, professor de história na Universidade da Georgia e autor de “Oceans of Grain: How American Wheat Remade the World”.

Os EUA respondem hoje por menos de um terço das exportações globais de soja, movimentando metade do volume do Brasil. No que diz respeito ao trigo, está em quarto lugar, muito atrás da Rússia, que está em primeiro lugar. “Vejam para onde a Rússia exporta os seus cereais e depois olhem para as pessoas que não assinaram a resolução da ONU contra a Rússia. É basicamente a mesma lista”, diz Nelson, referindo-se a uma reunião realizada em 2 de março do ano passado, na qual cinco países votaram contra a condenação da Rússia pela invasão da Ucrânia, com 35 nações – incluindo China, Índia e África do Sul – que se abstiveram.

É uma estranha reviravolta do destino, considerando-se que, durante grande parte da Guerra Fria, os EUA utilizaram a ajuda alimentar e também o comércio de cereais como parte da sua estratégia de contenção soviética. “Exceto a guerra nuclear, a fome mundial é a maior ameaça mundial à paz”, disse Dwayne Andreas num discurso de formatura em 1982. Apelidado de “Rei da Soja”, Andreas esteve à frente da ADM durante mais de duas décadas e cultivou uma relação com Mikhail Gorbachev, o líder da União Soviética. De acordo com uma biografia de Andreas, seu filho certa vez descreveu-o como um homem com um sentido de responsabilidade pelos interesses nacionais que “pensa que se continuarmos a alimentar os russos em vez de os embargarmos, eles não estarão aqui lançando bombas”.

Quando a União Soviética sofreu uma desastrosa colheita de trigo em 1963, o presidente John F. Kennedy autorizou as primeiras vendas  americanas de cereais à Rússia, desde 1917. O acordo mostrou que  sua iniciativa “Alimento para a Paz” também poderia gerar lucros para os comerciantes americanos de culturas, tais como a Cargill e a Continental Grain.

Quase uma década depois, em 1972, os soviéticos compraram discretamente cerca de um quarto de toda a colheita de trigo dos EUA, depois de um rigoroso inverno ter levado a uma grande queda na produção do bloco. Os EUA foram apanhados de surpresa pelas compras: os preços internos triplicaram, alimentando a inflação em todo o país. Este episódio ficou conhecido como o “Grande Roubo de Grãos”.

As tentativas dos presidentes dos EUA de alavancar a dependência dos países estrangeiros em relação aos produtos alimentícios americanos têm por vezes saído pela culatra. Jimmy Carter suspendeu as vendas de cereais à União Soviética em 1980 como punição pela decisão da Rússia de invadir o Afeganistão. Ronald Reagan levantou o embargo em 1981, mas o episódio manchou a reputação dos EUA como parceiro comercial confiável. Também incitou os russos no sentido de se tornarem mais autossuficientes.

Da mesma forma, a guerra comercial de Trump com a China acelerou seus esforços para reduzir a dependência do fornecimento americano de cereais e outros produtos alimentícios. Os produtos dos EUA representaram 18% do total das importações agrícolas da China em 2022, abaixo dos 27% em 2009. “Os EUA me lembram o sapo sendo fervido lentamente”, diz Ann Berg, consultora independente e comerciante veterana que iniciou sua carreira na Louis Dreyfus em 1974. “Perdeu o domínio, mas foram necessários 40 anos.”

Em geral, a perda dos EUA foi o ganho do Brasil. A nação sul-americana já tinha os pré-requisitos para se tornar uma superpotência agrícola, sob a forma de abundantes terras aráveis ​​ e de um bom clima. Depois de uma década de investimentos em  infraestrutura de exportação – incluindo ferrovias, terminais portuários e frotas de barcaças, alguns liderados por empresas chinesas, outros por empresas globais de comércio exterior – agora custa aproximadamente o mesmo enviar uma tonelada de soja do estado de Mato Grosso para a China tal como ocorre em Iowa.

A guerra comercial “ajudou o Brasil, criando tensões e animosidade que desencorajaram a China de comprar produtos americanos”, diz Frederico Humberg, CEO da Agribrasil, um dos maiores exportadores locais de milho e soja do país. “Sempre haverá suspeitas em relação aos EUA”.

As exportações conjuntas de soja, milho e algodão do Brasil mais que duplicaram na última década, para uma estimativa de 149 milhões de toneladas métricas no período 2022-23, de acordo com dados do governo. Portanto, não surpreende que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva esteja buscando um papel maior para o país sul-americano na geopolítica. Ele está tentando reunir nações de todo o sul global para se unirem como contrapeso contra a influência dos EUA, mais recentemente em agosto, no encontro dos países BRIC na África do Sul. (Brasil é o “B” da sigla de um agrupamento que começou com Rússia, Índia e China, mas está agregando novos membros)

Então, como ficam os EUA? Bem, sua influência não está totalmente esgotada. Continua sendo o maior doador do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas e os preços globais dos cereais e das sementes oleaginosas ainda são definidos através de contratos negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago. Além disso, embora as remessas norte-americanas de produtos de base a granel tenham diminuído, as exportações de alimentos processados ​​mais valiosos continuam crescendo.

Mais importante ainda, os EUA têm amplas reservas de outro tipo de mercadoria que muitas nações desejam. Cerca de um mês depois de tanques russos terem chegado à Ucrânia em fevereiro de 2022, a administração Biden e a União Europeia anunciaram um plano para direcionar mais exportações americanas de gás natural liquefeito para a Europa para substituir o gás canalizado da Rússia – um movimento que lembrou, de uma forma menor, o esforço para alimentar os aliados durante a Primeira Guerra Mundial.

Adeus, diplomacia de celeiro. Olá, geopolítica do gás.

Acompanhe tudo sobre:AgronegócioEstados Unidos (EUA)

Mais de EXAME Agro

Exportações do agro brasileiro registram queda de 10,2% em maio

Produção de sêmen bovino registra alta de 10% no 1º trimestre de 2024

Rio Grande do Sul: inundações causam queda de 9% na produtividade do arroz, afirma Emater/RS

STF suspende sessão sobre incentivos fiscais para agrotóxicos

Mais na Exame