Acompanhe:

Ofensiva nos arredores de Damasco após atentado noturno

Os atentados, principalmente com carros-bomba, se multiplicaram nos últimos meses na capital síria

Modo escuro

Continua após a publicidade
Avião das forças sírias: o regime tenta manter o controle de Damasco e utiliza a aviação, sua principal arma no conflito. (©afp.com / John Cantlie)

Avião das forças sírias: o regime tenta manter o controle de Damasco e utiliza a aviação, sua principal arma no conflito. (©afp.com / John Cantlie)

D
Da Redação

Publicado em 4 de janeiro de 2013 às, 13h55.

Damasco - As tropas sírias com apoio da aviação efetuavam nesta sexta-feira uma grande ofensiva contra as forças rebeldes em várias localidades perto de Damasco, após um atentado noturno com carro-bomba que fez ao menos 11 mortos.

Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), o ataque ocorreu no bairro de Massaken Barzé, no norte de Damasco, onde vive uma grande comunidade alauíta, minoria religiosa a que pertence o presidente Bashar al-Assad.

Os atentados, principalmente com carros-bomba, se multiplicaram nos últimos meses na capital síria tendo como alvo prédios governamentais e das forças de segurança, mesmo com o forte esquema de segurança.

O regime tenta manter o controle de Damasco e utiliza a aviação, sua principal arma no conflito, e artilharia pesada para bombardear localidades ocupadas pelos rebeldes, indicou o OSDH.

Novos reforços militares foram enviados para Daraya, que o Exército tenta reconquistar há duas semanas, indicou esta ONG com sede na Grã-Bretanha, que obtém suas informações através de uma extensa rede de militantes e médicos mobilizados na Síria.

O jornal Al-Watan, próximo ao regime sírio, indicou nesta sexta-feira que o Exército de Bashar al-Assad "ganhou na quinta-feira a batalha" contra os terroristas em Daraya e destruiu seus últimos redutos, acrescentando que a frente jihadista Al-Nusra sofreu muitas baixas nos combates.

As autoridades sírias definem os rebeldes como terroristas, armados e financiados pelo exterior.


A Síria mergulhou em uma guerra civil após a repressão do regime a uma onda de contestação popular que se militarizou. Os combates entre soldados regulares e desertores, apoiados por civis que pegaram em armas e também jihadistas do exterior, não tiveram trégua desde então.

As tropas do regime foram expulsas de amplas áreas do norte e do leste do país, mas tentam de manter em uma zona que vai do sul do país até a costa oeste, região natal de Assad, passando por Damasco e sua periferia.

O presidente alauíta, um ramo do xiismo, "tentará se manter aferrado até o fim ao poder preparado para provocar massacres", afirma Agnès Levallois, cientista política e especialista em Oriente Médio, enquanto o conflito causou a morte de mais de 60.000 segundo a ONU.

Para Levallois, Assad quer manter "uma parte do território: Damasco, o enclave estratégico de Homs (centro), e o caminho para a montanha alauíta", que liga Lattakia a Tartous.

Na quinta-feira foram registradas 191 vítimas, entre elas 99 civis, 51 rebeldes - ao menos cinco deles estrangeiros (um palestino, um turco, um saudita e dois líbios) - e 41 soldados, de acordo com a ONG.

Após a morte de um combatente australiano na Síria, a Austrália ameaçou com 20 anos de prisão seus cidadãos envolvidos em conflitos no exterior, e indicando a participação de 100 australianos no conflito na Síria desde 2011.

Como a cada sexta-feira desde o início do conflito, manifestantes se reuniram em várias regiões do país a pedido dos militantes anti-regime e em apoio à cidade de Homs (centro), que está sitiada há seis meses pelo Exército.

Últimas Notícias

Ver mais
Erdogan diz que Otan não deve contar com aval para adesão da Suécia antes de julho
Agências

Erdogan diz que Otan não deve contar com aval para adesão da Suécia antes de julho

Há 8 meses

'Brasil não pode mais ser marginalizado exterior', diz Lula em BH
Agências

'Brasil não pode mais ser marginalizado exterior', diz Lula em BH

Há um ano

Japonês Ei-ichi Negishi, Nobel de Química em 2010, morreu aos 85 anos
Agências

Japonês Ei-ichi Negishi, Nobel de Química em 2010, morreu aos 85 anos

Há 2 anos

STJ manda prender homem que atropelou filho de Cissa Guimarães
Agências

STJ manda prender homem que atropelou filho de Cissa Guimarães

Há 5 anos

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais