Acompanhe:

Só 13% dos usuários de iPhone aceitaram rastreamento após nova função

Já 5% preferiram rejeitar o monitoramento de suas informações pessoais, acrescenta a pesquisa. Medida afeta economia das big techs

Modo escuro

Continua após a publicidade
 (Reprodução/Getty Images)

(Reprodução/Getty Images)

A
Agência O Globo

Publicado em 9 de maio de 2021 às, 18h58.

Recentemente a Apple bateu de frente com o Facebook ao adicionar na nova versão do iOS, sistema de iPhones e iPads, uma função em que os usuários podem, se desejarem, bloquear o rastreamento de dados ao usar um aplicativo, o que afeta diretamente o modelo de negócio da gigante das redes sociais. Se o rastreamento não é permitido, o Facebook e o Instagram, que pertence a ele, não podem se valer das informações pessoais coletadas para criar anúncios personalizados e gerar receita com isso.

Nas primeiras semanas da novidade, lançada no fim de abril, só 13% dos usuários no mundo e 5% nos EUA aceitaram o rastreamento de seus dados nos apps do iPhone e iPad, uma má notícia para as big techs.

Em compensação, 5% dos usuários no mundo e 3% nos EUA preferiam não permitir o rastreamento. Os dados são da consultoria de analytics Flurry, da operadora americana de telecom Verizon.

A pesquisa da Flurry se baseia no uso de sua ferramenta digital em mais de 1 mihão de aplicativos móveis, utilizados em mais de 2 bilhões de aparelhos no planeta. O estudo continua, com atualizações diárias sobre o uso da nova opção no iOS.

Modelo em xeque

Segundo a Verizon, a nova funcionalidade pode afetar seriamente o mercado de publicidade digital, que movimenta US$ 189 bilhões por ano e pode chegar a US$ 240 bilhões em 2022, segundo a consultoria alemã Statista.

Preocupado, o Facebook começou a enviar mensagens em janelas "pop-up" em sua rede social e no Instagram encorajando os usuários Apple a permitir o rastreamento pelos seus apps, segundo o site 9to5mac.

"Você está no iOS 14.5. Esta versão requer que se peça permissão para usar dados deste aparelho para aperfeiçoar seus anúncios", diz a mensagem, que continua: "Saiba mais sobre como limitamos o uso dessa informação se você não ativar essa configuração. Usamos a informação sobre sua atividade (...) para mostrar anúncios mais personalizados e manter o Facebook/Instagram gratuito".

A rede social ganhou mais dinheiro com publicidade em 2020. A receita com os anúncios foi de US$ 84,1 bilhões, um aumento de 21% em relação aos US$ 69,6 bilhões amealhados em 2019. E, só no primeiro trimestre de 2021, a companhia faturou US$ 25,4 bilhões com a publicidade, incremento de 46% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Últimas Notícias

Ver mais
Justiça nega responsabilidade de Zuckerberg em suposto vício de crianças em redes
Tecnologia

Justiça nega responsabilidade de Zuckerberg em suposto vício de crianças em redes

Há um dia

Meta anuncia inteligência artificial para WhatsApp e Instagram
Tecnologia

Meta anuncia inteligência artificial para WhatsApp e Instagram

Há 2 dias

Apple quer reformular Macbooks com chips projetados para inteligência artificial
Inteligência Artificial

Apple quer reformular Macbooks com chips projetados para inteligência artificial

Há 5 dias

Apple alerta usuários de 92 países sobre ataque hacker ultrasofisticado
Tecnologia

Apple alerta usuários de 92 países sobre ataque hacker ultrasofisticado

Há 6 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais