Tecnologia

Quantidade versus qualidade é o dilema das app stores

O que é melhor para uma loja de aplicativos: um portfólio amplo mas que contém títulos de qualidade duvidosa ou uma oferta enxuta com bons apps?

iPhone 4: a loja de aplicativos da Apple tem mais de 400 mil títulos (Apple / divulgação)

iPhone 4: a loja de aplicativos da Apple tem mais de 400 mil títulos (Apple / divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 9 de junho de 2011 às 20h44.

Barcelona — O assunto foi abordado durante painel App Planet Forum, no Mobile World Congress, em Barcelona, nesta segunda-feira. "Os consumidores estão confusos com a quantidade de aplicativos disponível", disse Lee Epting, diretora de conteúdo e serviços da Vodafone. A operadora optou por criar sua própria loja, a Vodafone 360, na qual faz uma triagem rigorosa dos apps. "Vários títulos vendidos no Android Market não passam em nosso primeiro teste de qualidade", afirma. 

Entre as grandes lojas, algumas escolhas estão claras. Enquanto o Android prefere um modelo mais aberto, aceitando quase qualquer título, o Marketplace da Microsoft é um dos mais criteriosos em sua curadoria. A App Store da Apple é um meio termo. 

O fundador e CEO da GetJar, loja de aplicativos independente, Ilja Laurs, criticou o rigor da curadoria no mundo móvel. "A primeira versão do Facebook provavelmente não teria sido aprovada dentro dos critérios atuais", disparou. O executivo lembrou que a Internet é, em sua essência, aberta, neutra e sem taxas: "Ninguém é responsável por autorizar quem pode e quem não pode publicar um site. Ninguém decide que você não pode usar Flash. E ninguém fica obrigatoriamente com 30% da sua receita na Internet. No mundo móvel é diferente", disse, usando como exemplos as exigências da App Store, da Apple. Laurs acredita que a entrada de grandes grupos da Internet no mundo móvel pode gradativamente mudar esse modelo.

Acompanhe tudo sobre:AndroidAppsEmpresasEmpresas americanasempresas-de-tecnologiaGoogleIndústria eletroeletrônicaMicrosoftMobile World CongressSmartphonesTecnologia da informação

Mais de Tecnologia

Dez anos de Spotify no Brasil: o app que extinguiu a pirataria e virou sinônimo de música

O que esperar do balanço da Nvidia, a mais nova queridinha de Wall Street

Quatro operadoras da China se unem para oferecer roaming 5G entre redes

Colher elétrica promete 'temperar' alimento sem utilizar mais sal

Mais na Exame