Tecnologia

Parte do site WikiLeaks está hospedada em servidor francês

Uma fonte francesa próxima ao WikiLeaks confirmou a validade do rastreamento, embora tenha dito que o alojamento será apenas provisório

Página inicial do WikiLeaks: site foi removido pelo Amazon (Joe Raedle/Getty Images)

Página inicial do WikiLeaks: site foi removido pelo Amazon (Joe Raedle/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 2 de dezembro de 2010 às 22h17.

Paris - O site de divulgação de documentos secretos WikiLeaks, que foi 'expulso' na quarta-feira do servidor americano Amazon, encontrou refúgio, ao menos em parte, no servidor francês OVH, confirmou uma fonte próxima à página.

Segundo se constatou esta quinta-feira por um rastreamento do endereço IP, este remonta ao OVH em pelo menos parte dos conteúdos do WikiLeaks. O restante continua hospedado na Suécia.

Uma fonte francesa próxima ao WikiLeaks confirmou a validade do rastreamento, embora tenha dito que o alojamento será apenas provisório.

"Há vários dias que, devido aos ataques informáticos sofridos, o WikiLeaks muda de país e de servidor regularmente, assim não há certeza de que amanhã não se hospede em outro país", explicou a fonte.

O OVH, com sede em Roubaix (norte), é apresentado pelos sites especializados como uma das maiores empresas de servidores da França.

Contatada pela AFP, a empresa se negou a comentar a informação.

O site WikiLeaks iniciou, no domingo, a divulgação de 250 mil documentos trocados por diplomatas americanos, provocando a indignação de Washington e manifestações de incômodo de vários governos.

Acompanhe tudo sobre:AmazonComércioEmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetEstados Unidos (EUA)lojas-onlinePaíses ricosWikiLeaks

Mais de Tecnologia

Aeroportos registram queda no extravio de bagagens após implementação de novas tecnologias

Volta do presencial prejudica profissionais de tecnologia do Norte e Nordeste

IBM Consulting troca gerente geral para renovar foco em projetos de inteligência artificial

Tecnologia vira aliada no cuidado de idosos na China

Mais na Exame