Tecnologia

Musk diz não à proibição de seu competidor TikTok nos EUA

Ainda que posicionamento do bilionário não mude o possível destino do app chinês, o dono X destacou a redução de concorrência que a decisão pode causar

Elon Musk: bilionário é dono da rede social X, antigo Twitter (Jaap Arrien/Getty Images)

Elon Musk: bilionário é dono da rede social X, antigo Twitter (Jaap Arrien/Getty Images)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 20 de abril de 2024 às 14h10.

Elon Musk se manifestou na última sexta-feira, dia 19, sobre a possível proibição do TikTok nos Estados Unidos, destacando que a medida poderia reduzir a concorrência para sua própria rede social, X, mesmo assim, ele se opõe à restrição. Enquanto isso, o Congresso americano mostra sinais de apoio bipartidário à iniciativa.

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos tem uma votação agendada para este sábado sobre um projeto de lei que pode forçar o TikTok a se separar de sua empresa matriz, a chinesa ByteDance, sob pena de enfrentar uma proibição em todo o país.

A proposta ganha força ao ser incluída em um amplo pacote de assistência para Ucrânia, Israel e Taiwan, o que poderia facilitar sua aprovação no legislativo americano.

Musk, que adquiriu a plataforma X em 2022, defendeu que "proibir o TikTok seria uma ação contra a liberdade de expressão", apesar de reconhecer que tal medida poderia beneficiar indiretamente sua empresa.

O debate se intensifica com vozes contrárias à proibição, preocupadas com os precedentes que isso poderia criar para futuras restrições a redes sociais e serviços de mensagens nos Estados Unidos.

De acordo com o texto do projeto, a ByteDance teria apenas alguns meses para vender o TikTok ou veria o aplicativo removido das lojas da Apple e do Google no país.

A legislação também conferiria ao presidente dos Estados Unidos a autoridade para classificar outros aplicativos como ameaças à segurança nacional, se controlados por nações adversárias.

O TikTok, por sua vez, criticou fortemente a proposta, argumentando que a mesma prejudicaria a economia americana e a liberdade de expressão.

Um porta-voz do TikTok lamentou que "a Câmara dos Representantes utilize ajuda humanitária internacional como escudo para aprovar uma legislação de proibição". Ele destacou ainda que a proibição afetaria negativamente milhões de americanos e negócios, além de impactar consideravelmente a contribuição econômica anual da plataforma, avaliada em cerca de 24 bilhões de dólares.

Acompanhe tudo sobre:elon-muskTikTok

Mais de Tecnologia

Quatro operadoras da China se unem para oferecer roaming 5G entre redes

Colher elétrica promete 'temperar' alimento sem utilizar mais sal

Plano do Instagram para engajar usuários pode dar certo?

Novo app permite instalar jogos retrô da Nintendo no iPhone; saiba como

Mais na Exame