Tecnologia

Moto Z sem conector de fones de ouvido chega em setembro

Aparelho da Lenovo ganhou reformulação visual e ficou mais fino do que o iPhone 6s

Moto Z: smartphone tem 5,2 mm de espessura
 (Lucas Agrela/EXAME.com)

Moto Z: smartphone tem 5,2 mm de espessura (Lucas Agrela/EXAME.com)

Lucas Agrela

Lucas Agrela

Publicado em 20 de julho de 2016 às 15h01.

São Paulo – A Lenovo anunciou nesta semana que vai trazer o seu smartphone topo de linha ao mercado brasileiro em setembro deste ano. O aparelho chamado Moto Z conta com três acessórios que podem ser acoplados por magnetismo e também tem algo inusitado: a ausência do conector para fones de ouvido.

A eliminação desse componente também é algo que deve acontecer com o próximo iPhone, que será apresentado ainda neste semestre. No caso do Moto Z, um adaptador vem na caixa do produto para permitir que usuário ligue os fones de ouvido comuns no conector de energia. 

Isso é possível graças à medida tomada pela Lenovo de substituir o tradicional cabo microUSB pelo USB Type-C – que também permite o uso de um carregador rápido de 3 âmperes, o máximo antes era de 2,5 âmperes.

Sem o conector P2, a Lenovo conseguiu criar o smartphone mais fino do mundo de uma marca de grande porte. Enquanto o iPhone 6s tem 7,1 mm, o Moto Z tem 5,2 mm de espessura. A câmera, assim como nos iPhones e Galaxies S, é protuberante. Porém, isso permite que o dispositivo tenha estabilização óptica de imagem, algo que evita que as suas fotos fiquem tremidas.

(Lucas Agrela/EXAME.com)

Por conta da finura, o aparelho tem revestimento de alumínio náutico para evitar que ele se entorte, como aconteceu com alguns poucos modelos do iPhone 6 Plus no passado. 

Pela primeira vez, a Lenovo colocou sensor de impressões digitais em um smartphone topo de linha da família Moto. Ele fica abaixo do display é se parece com o que foi usado pela fabricante no Moto G Plus.

A tela de 5,5 polegadas do aparelho tem tecnologia Amoled, que, diferentemente do LCD LED, oferece melhor taxa de contraste e gera economia de energia. A resolução do display é Quad HD (1440 x 2560 pixels), ou seja, é mais do que o padrão Full HD e menos do que o 4K.

Para evitar que a tela se quebre facilmente, o Moto Z tem a proteção Gorilla Glass 4, da Corning, assim como o concorrente Galaxy S7 edge.

O smartphone Moto Z Force, que tem a mesma tecnologia de tela "inquebrável" ShatterShield do Moto X Force, ainda não tem previsão de chegar ao mercado brasileiro.

Moto Snaps

O Moto Z é o primeiro smartphone da Lenovo a vir com suporte para acessórios da linha Moto Snaps. Por enquanto, três serão lançados no Brasil: uma bateria extra, um reprodutor sonoro de alta qualidade da JBL e um projetor.

Esses itens adicionais se conectam ao dispositivo da Lenovo por magnetismo. Ou seja, basta aproximá-los do Moto Z que a conexão acontece. É tão simples quanto parece.

https://www.instagram.com/p/BIDXRLDDDZD/

A ligação dos acessórios acontece por meio de conectores que ficam na parte de trás do Moto Z, e que são banhados a ouro para evitar a oxidação que seria ocasionada pelo manuseio diário. 

(Lucas Agrela/EXAME.com)

A Lenovo reforça a ideia de que os Moto Snaps não são somente três acessórios que a fabricante vai oferecer, mas, sim, uma plataforma aberta para o desenvolvimento de produtos que se conectam ao Moto Z. Com isso, a empresa estimula a criação de acessórios por terceiros e garante que dará suporte a eles na próxima geração do Moto Z.

Os preços dos Moto Snaps ainda não foram definidos.

Por dentro do Moto Z

O smartphone é o primeiro desta nova leva de produtos a chegar com o processador Snapdragon 820 quad-core, o melhor chip da Qualcomm no momento. Isso aconteceu porque a Samsung trouxe o Galaxy S7 edge com o processador Exynos 8890, a LG lançou o G5 SE com o Snapdragon 652 e a Sony não trouxe ao país o Xperia X Performance. 

Ainda falando dos componentes internos do Moto Z, o gadget tem 4 GB de memória RAM, 64 GB de armazenamento interno e tem suporte para dois chips de operadoras ou um chip e um cartão microSD.

O Moto Z ainda não tem preço definido para o mercado nacional, nem data de estreia oficial.

Acompanhe tudo sobre:AndroidEmpresasEmpresas americanasEmpresas chinesasempresas-de-tecnologiaGoogleIndústria eletroeletrônicaLenovoMotorolaSmartphones

Mais de Tecnologia

A resposta da China para os bloqueios dos EUA: US$ 47 bilhões para autossuficiência em chips

Que música está tocando? Veja 5 formas de descobrir

Lei que regula pesquisa clínica com seres humanos é sancionada após nove anos de tramitação

Drones brasileiros: Psyche Aerospace recebe aporte de R$ 15 milhões para drone agrícola autônomo

Mais na Exame