Tecnologia

MIT apresenta protótipo de casa que custa 6 mil dólares

Projeto é parte do desafio proposto pelo instituto de criar casas que custem, no máximo, mil dólares

Materiais reciclados e reaproveitados fazem parte da construção da Pinwheel House (Divulgação/Imovelweb)

Materiais reciclados e reaproveitados fazem parte da construção da Pinwheel House (Divulgação/Imovelweb)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2011 às 19h31.

O Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) apresentou um protótipo de uma casa que pode ser construída a um custo de US$ 6.000 (cerca de R$ 10.000). Apelidado de “Pinwheel House” (Casa Cata-Vento), o protótipo é a primeira construção do projeto “1K House”, que desafia os estudantes do MIT a criarem construções que custem, no máximo, US$ 1.000 (R$ 1.800).

Desenvolvida por Ying chee Chui, pós-graduada pelo Departamento de Arquitetura do MIT, a Casa Cata-Vento tem uma estrutura modular, com aposentos retangulares cercando um pátio interno. Feita de paredes ocas de tijolo com barras de ferro para reforço e vigas de baixas de madeira, espera-se que seja capaz de resistir a terremotos de magnitude 8,0.

Pelo lado de fora, só é possível ver quatro paredes sólidas de tijolos. Mas, internamente, a casa é iluminada por meio das portas transparentes e pela luz que entra pelo jardim central. A habitação tem 74 m² de área construída, contando o jardim interno. Por ser construída em módulos, a planta é flexível e se adapta a vários tamanhos e usos, sendo necessário somente mover os painéis de posição.

O protótipo ficou mais caro que o previsto no projeto original de 2009 – que estava orçado em US$ 4.000 – por conta da área, de 74,3 m². O plano inicial era de uma casa de 46,4 m². A arquiteta diz que a construção de um grande número de Casas Cata-Vento simultaneamente poderia reduzir bastante o custo unitário.

O projeto “1K House”, além de fazer casas que sejam acessíveis a um grande número de pessoas, tem como princípios propor ambientes que ofereçam qualidade de vida para os habitantes, o que inclui segurança, conforto e saneamento, e possibilitar a construção com materiais reciclados e reaproveitados. O professor de design arquitetônico do MIT Yung Ho Chang disse que o protótipo ficou à altura do projeto, “com boa iluminação e ventilação”.

Chang destaca a utilidade do conceito para áreas atingidas por catástrofes, em situações como logo após um terremoto ou um tusnami. Ele diz que o período imediatamente posterior a um grande desastre costuma ser marcado por grandes desperdícios, enquanto as autoridades buscam a melhor forma de acolher os desabrigados. Casa simples e baratas construídas segundo um gabarito pré-existente poderiam permitir uma reconstrução mais rápida e barata, acredita.

Acompanhe tudo sobre:ArquiteturaCasasCriatividadeDesignEnsino superiorFaculdades e universidadesImóveisMIT

Mais de Tecnologia

NIO lança estação que realiza troca de bateria em apenas 3 minutos

Aeroportos registram queda no extravio de bagagens após implementação de novas tecnologias

Volta do presencial prejudica profissionais de tecnologia do Norte e Nordeste

IBM Consulting troca gerente geral para renovar foco em projetos de inteligência artificial

Mais na Exame