Acompanhe:

Meta proíbe anúncios direcionados a adolescentes com base em gênero

A decisão surge depois que a empresa foi multada em US$ 413 milhões na União Europeia devido suas práticas publicitárias

Modo escuro

Continua após a publicidade
Só para adultos: para a empresa, adolescentes não estão prontos para consentir sobre o uso de seus dados pessoais (picture alliance/Getty Images)

Só para adultos: para a empresa, adolescentes não estão prontos para consentir sobre o uso de seus dados pessoais (picture alliance/Getty Images)

A
AFP

Publicado em 11 de janeiro de 2023 às, 10h12.

Última atualização em 11 de janeiro de 2023 às, 10h15.

A Meta, matriz do Instagram e Facebook, disse nesta terça-feira, 10, que não permitirá mais a segmentação de anúncios para adolescentes com base em seu gênero, em meio a um combate às acusações de que suas plataformas são prejudiciais aos jovens usuários.

A gigante das redes sociais informou aos anunciantes, principal fonte de receita da empresa, que a partir de fevereiro só poderão usar segmentos de idade e localização para campanhas publicitárias voltadas para adolescentes de forma geral.

LEIA TAMBÉM: Microsoft espera que ChatGPT torne o Bing mais inteligente

Outra mudança é que as atividades anteriores dos adolescentes que usam os aplicativos da Meta não serão usadas para determinar quais anúncios verão, indicou a empresa.

Em seu blog, a Meta publicou que as mudanças ocorrem porque reconhece "que os adolescentes não estão necessariamente tão prontos quanto os adultos para tomar decisões sobre como seus dados online são usados para publicidade". As mudanças refletem o feedback de pais e especialistas.

A empresa, anteriormente conhecida como Facebook, enfrenta uma pressão e multas crescentes para restringir sua prática de veicular publicidade altamente direcionada a seus usuários, um modelo que rendeu bilhões de dólares a cada ano.

A Meta foi multada em US$ 413 milhões na semana passada como parte de uma longa disputa legal com a União Europeia relativa à publicidade.

O Google e a Apple também enfrentaram investigações e multas de reguladores por violar as leis de privacidade por meio da publicidade segmentada.

Nos Estados Unidos, a Meta e outras companhias de mídia social enfrentaram o escrutínio das autoridades locais, com leis nacionais bloqueadas devido ao forte lobby das gigantes da tecnologia e um Congresso politicamente dividido.

LEIA TAMBÉM: Nos EUA, empreendedores negros receberam apenas 1% do capital destinado às startups em 2022

Últimas Notícias

Ver mais
Instituto Heineken celebra dois anos com ampliação das ações para catadores e ambulantes
ESG

Instituto Heineken celebra dois anos com ampliação das ações para catadores e ambulantes

Há 3 dias

Como a Engie se uniu a professores para melhorar a saúde mental na infância
ESG

Como a Engie se uniu a professores para melhorar a saúde mental na infância

Há 4 dias

IA do Instagram vai permitir conversa entre fã e influencer
Inteligência Artificial

IA do Instagram vai permitir conversa entre fã e influencer

Há 4 dias

Justiça nega responsabilidade de Zuckerberg em suposto vício de crianças em redes
Tecnologia

Justiça nega responsabilidade de Zuckerberg em suposto vício de crianças em redes

Há 4 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais