Tecnologia

Meta planeja demitir milhares de funcionários ainda esta semana

Em sua rodada anterior, a Meta demitiu 11 mil trabalhadores, no que foi sua primeira grande onda de demissões

Novos cortes: demissão voluntária e equipes deficitárias entraram na mira para reduzir o contingente de funcionários (AFP/Getty Images)

Novos cortes: demissão voluntária e equipes deficitárias entraram na mira para reduzir o contingente de funcionários (AFP/Getty Images)

Bloomberg
Bloomberg

Agência de notícias

Publicado em 7 de março de 2023 às 15h21.

Última atualização em 7 de março de 2023 às 17h40.

A Meta Platforms, dona do Facebook e do Instagram, planeja uma nova rodada de demissões com o corte de milhares de empregos ainda esta semana, segundo pessoas com conhecimento do assunto.

As demissões na maior empresa de rede social do mundo são adicionais ao corte de 13% da força de trabalho anunciado em novembro, em uma tentativa de se tornar uma organização mais eficiente.

Em sua rodada anterior, a Meta demitiu 11 mil trabalhadores, no que foi sua primeira grande onda de demissões.

A empresa também tem trabalhado para “nivelar” a organização, oferecendo pacotes de demissão voluntária a gerentes e eliminando equipes inteiras que considera não essenciais, de acordo com reportagem da Bloomberg News em fevereiro, medida que ainda está em curso e pode afetar milhares de funcionários.

Por trás da iminente rodada de cortes estão metas financeiras, em uma medida que ocorre à parte da política de “nivelamento”, disseram as pessoas, que pediram para não serem identificadas.

A Meta, que enfrenta desaceleração na receita de publicidade e agora foca no metaverso, tem pedido a diretores e vice-presidentes que façam listas de funcionários que poderiam ser demitidos, disseram as pessoas.

Procurada pela Bloomberg na segunda-feira, a Meta não quis comentar sobre os planos por meio de um porta-voz.

Esta fase de demissões pode ser finalizada na próxima semana, segundo as fontes. Os envolvidos no plano esperam finalizá-lo antes que o CEO Mark Zuckerberg saia de licença parental após o nascimento do terceiro filho, o que pode ser iminente, disse uma pessoa.

Os cortes de novembro foram uma surpresa, mas outra rodada de demissões já era esperada pela força de trabalho da Meta. Zuckerberg chamou 2023 de “ano de eficiência” da Meta, e a empresa tem transmitido essa mensagem aos funcionários durante as avaliações de desempenho, que foram concluídas na semana passada, disseram as pessoas.

Empregados da Meta, com sede em Menlo Park, Califórnia, descreveram um clima de muita ansiedade e baixa moral entre os colegas.

Alguns funcionários expressaram preocupação se receberiam bônus, que devem ser distribuídos este mês, caso percam seus empregos antes, segundo as fontes.

Em fevereiro, a Meta anunciou um serviço de assinatura chamado Meta Verified, que traz várias vantagens e recursos adicionais, incluindo “crachás de verificação” de conta do Facebook e Instagram para assinantes pagantes.

O pacote vai custar US$ 11,99 por mês — US$ 14,99 se adquirido por meio do aplicativo iOS — e é voltado principalmente para criadores de conteúdo.

Acompanhe tudo sobre:FacebookDemissões

Mais de Tecnologia

Novidade no antigo Twitter: Elon Musk oculta curtidas no X

Muito além da IA: 10 novidades para esperar no seu iPhone e iPad

Brasil será primeiro país a receber recurso antirroubo do Google para android

Musk critica aliança Apple-OpenAI e ameaça barrar iPhone em suas empresas

Mais na Exame