Acompanhe:

A Meta alertou nesta quinta-feira, 30, que há campanhas enganosas online provenientes da China que visam influenciar as eleições de 2024 nos Estados Unidos e em outros lugares do mundo. Por isso, a empresa desativou este ano cinco redes desse tipo que buscavam interferências no exterior.

"Atores estrangeiros que representam uma ameaça estão tentando alcançar as pessoas por meio da internet antes das eleições do próximo ano, e devemos permanecer vigilantes", advertiu Ben Nimmo, chefe do departamento de inteligência contra ameaças globais da Meta - a gigante tecnológica dona do WhatsApp, Facebook e Instagram -, ao divulgar seu último relatório de segurança.

A companhia especificou que removeu 4.789 contas falsas do Facebook que faziam parte de uma campanha que publicava comentários sobre a política americana e sobre as relações bilaterais com a China.

As contas elogiavam a China, atacavam seus críticos e copiavam e colavam posts reais de políticos americanos para aumentar as divisões partidárias, de acordo com o relatório.

"À medida que as campanhas eleitorais se intensificam [nos Estados Unidos], esperamos que as operações de influência estrangeira tentem tirar proveito de debates autênticos em vez de criar conteúdo original", explicou Nimmo.

A Meta rastreou a origem das redes e determinou que estão sediadas na China, mas não atribuiu suas atividades ao governo do gigante asiático.

A equipe de segurança da empresa prevê que esses esforços para influenciar as eleições do próximo ano incluirão "vazamentos" falsos e se expandirão para outras redes sociais, blogs, fóruns de discussão, além de servirem de base para operações por meio da explosiva expansão da tecnologia de inteligência artificial (IA) generativa, como o ChatGPT.

De qualquer forma, a Meta considera que a fonte mais prolífica desse tipo de redes continua sendo a Rússia, com operações sediadas lá que buscam consolidar o apoio à sua invasão da Ucrânia e ao apoio dos países ocidentais a este país vizinho contra as tropas de Moscou.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Meta, dona do Facebook, terá de trocar nome no Brasil; entenda motivo
Tecnologia

Meta, dona do Facebook, terá de trocar nome no Brasil; entenda motivo

Há 2 dias

Encontro com presidente, LG e startups: o que Zuckerberg foi fazer na Coreia do Sul
Tecnologia

Encontro com presidente, LG e startups: o que Zuckerberg foi fazer na Coreia do Sul

Há 4 dias

Messi chega aos 500 milhões de seguidores no Instagram, porém ainda não supera CR7; veja top 10
Esporte

Messi chega aos 500 milhões de seguidores no Instagram, porém ainda não supera CR7; veja top 10

Há 4 dias

Combinadas, as 'Sete Magníficas' formariam a 2ª maior bolsa de valores de mundo
seloMercados

Combinadas, as 'Sete Magníficas' formariam a 2ª maior bolsa de valores de mundo

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais