Tecnologia

Meta é processada por 'fechar os olhos' para tráfico de pessoas no Facebook e Instagram

A ação pede que Mark Zuckerberg e outros executivos e membros do conselho sejam condenados a instituir reformas e pagar indenizações

Meta: Mark Zuckerberg, presidente-executivo e acionista majoritário da Meta, é o principal alvo do processo (David Paul Morris//Getty Images)

Meta: Mark Zuckerberg, presidente-executivo e acionista majoritário da Meta, é o principal alvo do processo (David Paul Morris//Getty Images)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 22 de março de 2023 às 00h17.

Um processo movido por acionistas acusa os membros do conselho da Meta, controladora do Facebook e Instagram, de se esquivarem de seus deveres ao ignorarem o tráfico de pessoas e sexual nas redes sociais da gigante da tecnologia.

A ação pede que Mark Zuckerberg e outros executivos e membros do conselho sejam condenados a instituir reformas e pagar indenizações.

“Na última década, os aplicativos da Meta ajudaram, respaldaram e facilitaram o trabalho dos criminosos responsáveis por proxenetismo, tráfico de pessoas e crimes contra menores de idade que ocorrem em larga escala nas plataformas” do grupo californiano, aponta a denúncia apresentada na segunda-feira em um tribunal de Delaware.

"Provas substanciais mostram que o conselho de administração fechou os olhos, apesar de ter conhecimento desse fenômeno em plena expansão", afirmam os demandantes, entre eles o Sistema de Aposentadoria dos Empregados do Estado de Rhode Island, o Kiwi Investment Management Wholesale Core Global Fund e o Teamsters Pension Fund, segundo o processo.

A Meta 'falhou em erradicar o problema'

Mark Zuckerberg, presidente-executivo e acionista majoritário da Meta, é o principal alvo do processo. Procurado pela AFP, o porta-voz Andy Stone afirmou que a empresa “proíbe claramente a exploração de seres humanos e a exploração sexual de crianças”, e que as denúncias não refletem “os esforços” da empresa “para combater esse tipo de atividade”.

O processo afirma, no entanto, que o conselho de administração da Meta "falhou em explicar como tenta erradicar o problema", motivo pelo qual a única "conclusão lógica" é que "decidiu, conscientemente, permitir que as plataformas da Meta promovam e facilitem" esses tipos de tráfico.

A Meta enfrenta várias acusações, em particular envolvendo efeitos na saúde mental de crianças e adolescentes.

Acompanhe tudo sobre:MetaFacebookInstagram

Mais de Tecnologia

Trabalhe como um streamer: Santander oferece 8 mil bolsas de estudo para gamers

5G atinge 25,92 milhões de chips ativos, mas representa apenas 10% da base móvel no Brasil

Bain compra plataforma de educação PowerSchool por US$ 5,6 bilhões e fecha capital

Enchente em Porto Alegre pode ser vista no Google Maps após atualização

Mais na Exame