• AALR3 R$ 20,10 -0.35
  • AAPL34 R$ 68,19 1.23
  • ABCB4 R$ 16,70 1.09
  • ABEV3 R$ 14,17 0.93
  • AERI3 R$ 3,78 5.88
  • AESB3 R$ 10,89 0.46
  • AGRO3 R$ 31,54 1.15
  • ALPA4 R$ 22,13 3.95
  • ALSO3 R$ 18,90 -0.53
  • ALUP11 R$ 26,58 -1.81
  • AMAR3 R$ 2,59 1.97
  • AMBP3 R$ 32,43 4.31
  • AMER3 R$ 21,51 -1.74
  • AMZO34 R$ 3,40 4.17
  • ANIM3 R$ 5,61 2.56
  • ARZZ3 R$ 81,16 2.14
  • ASAI3 R$ 16,11 2.48
  • AZUL4 R$ 21,03 4.78
  • B3SA3 R$ 12,37 3.86
  • BBAS3 R$ 37,59 0.05
  • AALR3 R$ 20,10 -0.35
  • AAPL34 R$ 68,19 1.23
  • ABCB4 R$ 16,70 1.09
  • ABEV3 R$ 14,17 0.93
  • AERI3 R$ 3,78 5.88
  • AESB3 R$ 10,89 0.46
  • AGRO3 R$ 31,54 1.15
  • ALPA4 R$ 22,13 3.95
  • ALSO3 R$ 18,90 -0.53
  • ALUP11 R$ 26,58 -1.81
  • AMAR3 R$ 2,59 1.97
  • AMBP3 R$ 32,43 4.31
  • AMER3 R$ 21,51 -1.74
  • AMZO34 R$ 3,40 4.17
  • ANIM3 R$ 5,61 2.56
  • ARZZ3 R$ 81,16 2.14
  • ASAI3 R$ 16,11 2.48
  • AZUL4 R$ 21,03 4.78
  • B3SA3 R$ 12,37 3.86
  • BBAS3 R$ 37,59 0.05
Abra sua conta no BTG

Medo de robôs gera cautela em relação à inteligência artificial

Pesquisa realizada pela empresa americana 3M revela temor em relação ao avanço da tecnologia no mercado de trabalho
Funcionário incansável: 62% dos entrevistados afirmaram "sentir muito medo" do avanço dos robôs na força de trabalho (Thinkstock/foto)
Funcionário incansável: 62% dos entrevistados afirmaram "sentir muito medo" do avanço dos robôs na força de trabalho (Thinkstock/foto)
Por Rodrigo LoureiroPublicado em 29/07/2019 14:55 | Última atualização em 29/07/2019 14:55Tempo de Leitura: 2 min de leitura

São Paulo – Em sua segunda edição, um estudo realizado pela empresa americana 3M revelou que o medo de robôs tomarem o emprego dos humanos é uma das principais preocupações em relação aos avanços da sociedade no campo científico, principalmente em relação à inteligência artificial.

Com entrevistas com 14 mil pessoas de 14 países, o Índice Anual do Estado da Ciência mostra que 62% dos entrevistados disseram sentir medo do avanço dos robôs no ambiente de trabalho. Além disso, 52% dos entrevistados, um carro comum seria preferível em relação a um automóvel autônomo, enquanto um percentual de 71% optaria por um assistente pessoal humano em relação a um virtual.

O medo de perder o emprego para um funcionário munido de inteligência artificial também contribuiu para que 63% dos brasileiros se arrependessem de não terem seguido uma carreira na área de ciência ou tecnologia, como uma formação em matemática ou engenharia, por exemplo.

Apesar dos receios, o brasileiro está mais ciente em relação aos temas ligados com ciência e tecnologia. O percentual de pessoas que disseram “não saber nada sobre ciência” caiu de 22% para 18% entre 2018 e 2019. Já o percentual de entrevistados que considerava a ciência “entediante” também reduziu, passando de 26% para 19%.