Tecnologia

Google não vai mais armazenar suas informações por tempo indeterminado

Criticada, companhia anunciou que vai salvar dados como histórico de localização e registros de atividades web dos usuários pelo período de 18 meses

Google: empresa alterou políticas de privacidade de suas plataformas (Carsten Koall / Correspondente/Getty Images)

Google: empresa alterou políticas de privacidade de suas plataformas (Carsten Koall / Correspondente/Getty Images)

RL

Rodrigo Loureiro

Publicado em 24 de junho de 2020 às 14h57.

O Google anunciou mudanças em relação as suas políticas de privacidade de serviços desenvolvidos pela companhia de Mountain View. A companhia não vai mais armazenar informações como histórico de localização e registros de atividades realizadas na internet por tempo indeterminado em seus servidores. Em vez disso, vai deletar os dados automaticamente após 18 meses.

No anúncio feito nesta quarta-feira (24), o Google lembrou que adicionou no ano passado um recurso para permitir que a escolha do período em que a empresa vai armazenar essas suas informações. Na nova política, todos os dados armazenados são removidos após 18 meses.

Na prática, a atualização cria uma configuração padrão de remoção das informações. Isso significa que os usuários que não configurarem suas contas neste sentido estarão inclusos nas novas regras de privacidade das plataformas do Google. Os usuários que já fizeram configurações anteriores neste sentido não serão afetados.

Vale lembrar que o Google recebeu um processo recente por monitorar a navegação dos usuários. A ação judicial no valor de 5 bilhões de dólares foi movida em San Jose, na Califórnia, e acusa a empresa de violar a privacidade das pessoas com os serviços Google Analytics e Google Ad Manager.

A companhia também se envolveu em outro escândalo de segurança digital em fevereiro deste ano. Na época, a empresa informou que mandou vídeos privados para outras pessoas por engano. A justificativa para o incidente foi a de um problema técnico.

YouTube

Outra mudança do Google se dá em relação a plataforma de streaming de vídeos YouTube. Os dados de pesquisa dos internautas no serviço serão removidos após três anos.

Acompanhe tudo sobre:GooglePrivacidadeseguranca-digital

Mais de Tecnologia

Internet lenta: só uma em cada 10 escolas públicas tem internet com 1 Mbps

China cria fundo de US$ 47 bilhões para buscar autossuficiência em semicondutores

Elon Musk recebe mais de R$ 30 bilhões para desafiar OpenAI

Influenciadores são banidos na China por "ostentação excessiva"

Mais na Exame