Falhas em sites mostram qual é o verdadeiro ponto fraco da internet

Grandes sites, como CNN, Amazon e Spotify, registraram problemas nesta terça-feira de acordo com o Downdetector

Por Nate Lanxon e Jackie Davalos, da Bloomberg

A interrupção por 1 hora dos serviços da Fastly destaca como os maiores sites do mundo estão expostos ao impacto de problemas que variam de um simples erro humano a um ataque cibernético coordenado.

A falha na Fastly, que ajuda sites a carregar suas páginas com mais rapidez, deixou grande parte da Internet fora do ar na terça-feira. Sites de notícias, como CNN, New York Times e Bloomberg News, de serviços, como Amazon.com, Shopify e Stripe, além de sites de grandes empresas, como Spotify e Reddit, ficaram offline. Os serviços digitais do governo do Reino Unido também ficaram indisponíveis por um período.

Grandes sites começaram a registrar problemas na terça-feira por volta das 10h30, no horário do Reino Unido, de acordo com o Downdetector, que rastreia interrupções dos serviços.

A Fastly identificou um problema em sua rede de distribuição de conteúdo e anunciou que estava corrigindo o problema 46 minutos após reconhecer que havia uma falha. O sites voltaram a funcionar logo depois.

No entanto, a série de falhas em toda a web transformou uma mera “configuração de serviço” em uma interrupção global que atingiu grandes empresas e pequenos usuários.

O que a Fastly faz?

A Fastly é um dos vários serviços de hospedagem de aplicativos e sites de alto nível utilizados por grandes empresas para fornecer conteúdo a milhões de usuários simultaneamente.

Em vez de hospedar todo o conteúdo do site em um único conjunto de servidores em um local, o modelo da Fastly distribui os servidores em dezenas de locais, permitindo que os sites ofereçam páginas aos usuários a partir de locais físicos mais próximos. Isso reduz o tempo de espera, acelerando o carregamento das páginas e distribuindo a carga em servidores individuais.

Essas configurações amplas e complexas são executadas por apenas algumas empresas, como Fastly, Cloudflare e Akamai Technologies. O mercado global da chamada computação de borda foi avaliado em 4,68 bilhões de dólares em 2020 e deve se expandir a uma taxa composta de crescimento anual de 38,4% de 2021 a 2028, segundo análise recente da Grand View Research.

Embora essas configurações geralmente funcionem perfeitamente, devido à sua complexidade até mesmo um simples erro em um arquivo de configuração pode desencadear reações em cadeia. Para os usuários, a maioria dos quais raramente precisa pensar sobre como a Internet funciona, pode ser um choque.

“As pessoas acreditam que de alguma forma as coisas não quebram. No final das contas, é um computador em uma sala de servidores com diferentes componentes que podem não funcionar”, disse Mehdi Daoudi, cofundador e CEO da Catchpoint, uma plataforma de tecnologia que monitora o desempenho de sites.

“Devido à forma como as redes são construídas, uma interrupção pode rapidamente ter efeito cascata. É um efeito dominó.”

Não há evidências de que os problemas identificados pela Fastly na terça-feira tenham sido resultado de um ataque cibernético de um software malicioso. Mas interrupções generalizadas geralmente são resultado de ataques de hackers e nem sempre culpa das empresas que hospedam conteúdo.

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.