Tecnologia

Facebook reduz velocidade para evitar o congestionamento da internet

Temor é que número elevado de acessos por causa da quarentena do coronavírus sobrecarregue a rede de computadores

Facebook: rede social reduziu sua velocidade, assim como Google e Netflix já haviam feito (Dado Ruvic/Ilutração/Foto de arquivo/Reuters)

Facebook: rede social reduziu sua velocidade, assim como Google e Netflix já haviam feito (Dado Ruvic/Ilutração/Foto de arquivo/Reuters)

A

AFP

Publicado em 22 de março de 2020 às 18h09.

A velocidade dos vídeos do Facebook e Instagram na Europa será temporariamente reduzida para evitar um congestionamento da internet, devido ao aumento do acesso em plena epidemia do novo coronavírus, anunciou neste domingo (22) a sede das redes sociais.

Netflix e Google também adotaram medidas semelhantes.

“Para ajudar a limitar um potencial congestionamento da rede, reduziremos temporariamente a velocidade binária para os vídeos do Facebook e Instagram na Europa”, declarou um porta-voz do Facebook, citado em comunicado.

 

Na quinta-feira, a Netflix também anunciou que havia tomado a decisão de diminuir o tráfego em todos os seus fluxos na Europa por 30 dias. Na sexta-feira, o Google fez o mesmo com sua plataforma de vídeos YouTube.

Deste modo, os gigantes americanos respondem a uma petição do comissário europeu do Mercado Interno, Thierry Breton.

Breton solicitou na quarta-feira às plataformas de transmissão e aos servidores que tomassem medidas para aliviar a pressão sobre a internet, para facilitar o trabalho à distância e a educação online durante o período de confinamento imposto nos países da Europa para lutar contra a propagação da epidemia do COVID-19.

A obrigação de estarem confinados e o trabalho em casa aumentaram o tráfego na internet, destacou o comissário.

Breton pediu às plataformas de transmissão que “cooperem com os provedores de telecomunicações para adaptar a velocidade da transmissão contínua de vídeo, propondo temporariamente a definição padrão em vez da alta definição, levando em consideração as horas de trabalho mais críticas”.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusFacebookInternetRedes sociais

Mais de Tecnologia

Colher elétrica promete 'temperar' alimento sem utilizar mais sal

Plano do Instagram para engajar usuários pode dar certo?

Novo app permite instalar jogos retrô da Nintendo no iPhone; saiba como

Neuralink, de Elon Musk, fará teste de implante cerebral em novo voluntário

Mais na Exame