Acompanhe:
Apresentado por Dell

Escolas melhoram ensino e criam novos negócios com big data

São Paulo – Se há uma lição que universidades e escolas aprenderam com as redes sociais e os gadgets móveis, é que a tecnologia tem tudo para ser uma grande aliada do ensino

Modo escuro

Continua após a publicidade
E
Estúdio ABC

Publicado em 12 de agosto de 2013 às, 10h00.

São Paulo – Se há uma lição que universidades e escolas aprenderam com as redes sociais e os gadgets móveis, é que a tecnologia tem tudo para ser uma grande aliada do ensino. Um dos benefícios mais sensíveis percebidos pelas escolas foi a adoção de serviços de computação em nuvem. Afinal, com os dados disponíveis em servidores remotos, foi possível dar sentido à onda de mobilidade experimentada por alunos e estudantes, oferecendo apostilas, provas e conteúdo didático multimídia acessível de qualquer lugar, por qualquer dispositivo.

Agora, com os dados de desempenho de alunos e materiais didáticos digitalizados, os colégios experimentam uma segunda onda de inovação, a adoção de serviços de big data. Como o próprio nome sugere, essa tecnologia consiste no processamento e análise de grandes volumes de dados, recurso que pode oferecer informações preciosas para melhorar a eficácia de conteúdos ensinados, diminuir a evasão de alunos e até permitir às escolas a descoberta de novas áreas de atuação.

De acordo com o diretor de gestão da informação e performance da consultoria PwC, Rui Botelho, empresas estão desenvolvendo serviços de análise das informações registradas nos sistemas de TI de escolas e universidades para ajudá-las a interpretar esses dados. “Com essas análises, é possível descobrir em que classes há diferenças de aprendizagem e, no caso de escolas com muitas unidades, quais apresentam maior ou menor deficiência”, afirma Botelho.

Segundo o consultor, algoritmos de big data vasculham todas as informações geradas pelo histórico de matérias acessadas por alunos na nuvem e relacionam suas notas, ausências e comentários publicados ao seu aproveitamento escolar, gerando relatórios ricos, que servem de insumo para que os educadores identifiquem os pontos fortes e fracos de suas turmas. Uma das vantagens do binômio computação em nuvem e big data é permitir a análise de dados em tempo real. Assim, podemos observar a compreensão de um determinado conteúdo por meio de uma prova online aplicada logo após a aula e, depois, o próprio algoritmo de análise poderá sugerir livros ou identificar as deficiências de cada estudante, destaca Botelho.

Oportunidades para empreendedores – A digitalização da sala de aula deve abrir, ainda, novas oportunidades para empreendedores individuais ou escolas inovadoras. Uma possibilidade, por exemplo, é a venda de conteúdos em formato digital, um serviço que nem todas as escolas dominam plenamente e, por isso, podem necessitar de parceiros.

Outro aspecto que pode ser melhorado é a evasão de alunos, um problema comum a todas as universidades. Afinal, todos os anos, por razões variadas, boa parte dos alunos que ingressaram em um curso vai abandonar os estudos. Uma das formas de reduzir a taxa de desistência nas instituições é detectar os alunos com maior propensão a dar continuidade aos estudos e torná-lo um influenciador do curso em sua rede de relacionamentos. Identificando amigos que se conhecem, em tese, dá para identificar o perfil dessas pessoas e, dentro da rede virtual, criar ofertas e campanhas direcionadas para que alunos propensos a se formar influenciem os amigos a seguir em frente nos estudos e, ao mesmo tempo, criar campanhas específicas para fidelizar estudantes com maior probabilidade de desistir, indica Botelho.

De acordo com o professor do curso de pós-graduação da ESPM Gil Giardelli, com apoio em novas tecnologias, como nuvem e big data, as universidades brasileiras podem se articular entre si e criar cursos globais, abrindo novos mercados.

“Por que não podemos ganhar escala e tornar nossas escolas players da educação global?”, questiona. Segundo Giardelli, esse conceito já é explorado por universidades americanas e, do ponto de vista tecnológico, algo plenamente viável para as instituições brasileiras. O desafio é explorar as tecnologias de nuvem e big data em favor da educação e dos negócios.

Últimas Notícias

Ver mais
Meta formará equipe para combater fake news nas eleições da União Europeia
Tecnologia

Meta formará equipe para combater fake news nas eleições da União Europeia

Há 3 horas

"Ninguém fica para trás": na maior feira tech do mundo, a busca por 3 bilhões de novos clientes
Tecnologia

MWC 2024: na maior feira tech do mundo, a busca por 3 bilhões de clientes

Há 6 horas

Xiaomi 14 Ultra já é candidato ao prêmio de celular com melhor câmera
Tecnologia

Xiaomi 14 Ultra já é candidato ao prêmio de celular com melhor câmera

Há 7 horas

MWC 2024: as principais novidades da feira de tecnologia
Tecnologia

MWC 2024: as principais novidades da feira de tecnologia

Há 7 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais