Tecnologia

Elon Musk quer criar o supercomputador mais poderoso do mundo

Dono da Tesla acabou de receber mais de R$ 30 bilhões de investimento na xAI

Elon Musk investe alto na xAI em busca de competir com a OpenAI (Beata Zawrzel/Getty Images)

Elon Musk investe alto na xAI em busca de competir com a OpenAI (Beata Zawrzel/Getty Images)

Fernando Olivieri
Fernando Olivieri

Redator na Exame

Publicado em 28 de maio de 2024 às 14h14.

Elon Musk está em uma jornada ambiciosa para construir o supercomputador mais poderoso do mundo, com planos de colocá-lo em operação até o outono de 2025, conforme reportado pela Business Insider. Este supercomputador, descrito por Musk como uma "fábrica gigante de computação", utilizará GPUs da Nvidia, conhecidas por serem essenciais no treinamento de grandes modelos de linguagem usados em inteligência artificial (IA).

O anúncio veio após a xAI, a startup de IA de Musk, ter levantado US$ 6 bilhões (R$ 31 bilhões) em uma nova rodada de financiamento, mostrando que o hype em torno da IA continua forte. Musk investiu pessoalmente US$ 750 milhões (R$ 3,8 bilhões) na xAI, e a X, empresa de tecnologia de Musk, contribuiu com poder de computação avaliado em US$ 250 milhões (R$ 1,2 bilhão), segundo o Wall Street Journal. Com essa última rodada de financiamento, a xAI agora possui uma avaliação de US$ 24 bilhões (R$ 123 bilhões), apesar de até agora ter lançado apenas um chatbot chamado Grok, que Musk descreve como tendo "um pouco de humor".

Parceria com a Nvidia

O supercomputador será alimentado por um cluster de GPUs H100 da Nvidia, que são caras e muito procuradas por empresas de IA para o treinamento de seus modelos. Musk precisa desse cluster para competir na corrida da IA, e ele disse a investidores que o da xAI será mais de quatro vezes maior do que o da Meta.

Na última teleconferência de resultados da Nvidia, a CFO Colette Kress mencionou que a xAI está comprando o novo chip Blackwell, que deve ser entregue ainda este ano. Atualmente, a xAI já aluga servidores com cerca de 16.000 chips Nvidia da Oracle. A startup pode fazer uma parceria com a empresa cofundada pelo amigo de Musk, Larry Ellison, para construir o supercomputador e gastar até US$ 10 bilhões (R$ 51 bilhões) alugando seus servidores na nuvem nos próximos anos, conforme reportado pelo The Information.

Os objetivos de Musk são ambiciosos, especialmente considerando que o supercomputador Stargate, de US$ 100 bilhões (R$ 514 bilhões), que a Microsoft e a OpenAI estão construindo, só deve começar a operar em 2028.

A xAI está contratando para várias funções em San Francisco e Londres enquanto busca expandir e alcançar seus rivais. Musk escreveu na X na segunda-feira: "Junte-se à xAI se você acredita em nossa missão de entender o universo, o que requer uma busca maximamente rigorosa pela verdade, sem considerar a popularidade ou a correção política."

Arrecadação de mais de R$ 30 bilhões

A startup de inteligência artificial de Elon Musk, xAI, arrecadou US$ 6 bilhões (R$ 31 bilhões) em uma rodada de financiamento Série B, conforme anunciado em um post no X em 26 de maio. As informações são da Bloomberg. Esta rodada de investimento ocorre menos de um ano após a estreia da xAI e representa um dos maiores investimentos no campo emergente de desenvolvimento de ferramentas de IA. Musk, que foi um dos primeiros apoiadores da inteligência artificial e da OpenAI, lançou a xAI para competir diretamente com seus antigos aliados na OpenAI.

A xAI foi anunciada em julho por Musk, com um time de veteranos do Google e Tesla. Desde então, a empresa tem trabalhado para desenvolver produtos inovadores no campo da IA. Um dos produtos mais visíveis da xAI até agora é o Grok, um concorrente direto do ChatGPT da OpenAI, que foi integrado ao X.com, anteriormente conhecido como Twitter. Este movimento estratégico visa aproveitar a vasta base de usuários da rede social para impulsionar a adoção do Grok.

Acompanhe tudo sobre:elon-muskInteligência artificialTecnologiaOpenAIGoogleMicrosoft

Mais de Tecnologia

Empresa chinesa avança em tecnologia quântica com novo termômetro de óxido de rutênio

Vídeos curtos passam a ser a principal fonte de informação dos jovens, alerta relatório

69% dos brasileiros acreditam que seus aparelhos espionam suas conversas

Segurança em xeque: Microsoft prioriza lucro e deixa governo dos EUA vulnerável

Mais na Exame