Tecnologia

Elon Musk prevê crise? Demissões de executivos de alto escalão na Tesla preocupam investidores

Após reduzir 10% de seu quadro, Tesla anuncia novas demissões, incluindo membros diretores e equipes importantes, em um movimento de austeridade

André Lopes
André Lopes

Repórter

Publicado em 30 de abril de 2024 às 10h06.

Tudo sobreelon-musk
Saiba mais

A Tesla, empresa de carros elétricos de Elon Musk, iniciou uma nova onda de demissões, que agora afeta centenas de funcionários, incluindo membros seniores da empresa e a maior parte da equipe responsável pelos Superchargers, os carregadores ultrarrápidos espalhos pelos EUA e outros países.

As informações, inicialmente divulgadas por The Information, apontam para a saída de Rebecca Tinucci, diretora sênior de carregamento de veículos elétricos, e da maioria dos 500 integrantes de sua equipe. O diretor do programa de novos veículos, Daniel Ho, também foi desligado junto com seu grupo.

Esse movimento é parte de um esforço mais amplo de redução de pessoal que já resultou no corte de 10% dos funcionários nas últimas semanas. Em um comunicado recente aos executivos, Musk enfatizou a necessidade de a empresa ser "absolutamente rigorosa" nos cortes, indicando que mais demissões podem estar a caminho, especialmente entre aqueles que não atendem aos critérios de excelência e confiabilidade necessários.

Crise à vista: Elon Musk avisa executivo de que onda de demissões será rigorosa (Getty Images)

Embora o alcance total desses novos cortes ainda não seja claro, relatórios anteriores da Bloomberg sugerem que a redução total do quadro de funcionários da Tesla, iniciada no começo do mês, poderia atingir até 20% do total, superando 20.000 empregados. Apesar das demissões, Musk assegura a continuidade na construção de novos Superchargers e na conclusão dos já iniciados.

Os cortes recentes também impactaram outras áreas, como a equipe de política pública, anteriormente liderada por Rohan Patel, e especialistas em programas de veículos e novas iniciativas de produtos.

Este cenário desafiador para a Tesla se desenrola em um ano particularmente difícil, marcado pela queda no preço de suas ações e diminuição das margens de lucro, influenciadas por reduções de preços em resposta ao aumento da concorrência e à menor demanda por veículos elétricos. Além disso, a empresa enfrenta problemas de reputação e desafios legais relacionados ao seu recurso de piloto automático e outros aspectos da gestão de Musk.

Acompanhe tudo sobre:Teslaelon-musk

Mais de Tecnologia

Novidade no antigo Twitter: Elon Musk oculta curtidas no X

Muito além da IA: 10 novidades para esperar no seu iPhone e iPad

Brasil será primeiro país a receber recurso antirroubo do Google para android

Musk critica aliança Apple-OpenAI e ameaça barrar iPhone em suas empresas

Mais na Exame