Tecnologia

Brasileiro usa celular por mais de três horas por dia

Pesquisa mostra o quanto os brasileiros passam conectados no smartphone. Entre os mais jovens, tempo gasto é ainda maior


	Smartphone: brasileiro passa, em média, mais de três horas por dia conectado no celular
 (michaeljung/Thinkstock)

Smartphone: brasileiro passa, em média, mais de três horas por dia conectado no celular (michaeljung/Thinkstock)

DR

Da Redação

Publicado em 16 de setembro de 2016 às 10h24.

O brasileiro passa em média 3h14 por dia conectado com o celular, segundo indica pesquisa da associação de marketing móvel MMA realizada pela Millward Brown Brasil e NetQuest e divulgada nesta quinta, 15. Considerando apenas os jovens da geração millenials, a média é de 4h por dia conectado à Internet em um aparelho móvel.

Com destaque, atividades como fazer chamadas (89%), navegar na Internet (87%), acessar emails (85%) e mecanismos de buscas (71%). A pesquisa foi realizada com 1,2 mil pessoas de 14 a 55 anos.

Cresceu a propensão a clicar em publicidade online, segundo a MMA. Neste ano, 32% afirmavam não clicar em nenhuma propaganda, contra 41% em 2015. No período, o YouTube ultrapassou o Facebook como rede com mais visibilidade da publicidade.

Para millenials, 22% davam atenção à publicidade na Internet, contra 30% no ano anterior. A parcela que sempre dá atenção à publicidade subiu de 9% para 13%. A pesquisa indica também que quatro em dez usuários já efetuam compras de produtos e serviços via aplicativos, como roupas, taxis e ingressos.

O uso de aplicativos cresceu, segundo a entidade. Em 2016, os brasileiros usam em média oito apps por semana, contra seis no ano passado. A maioria (83%) afirmou fazer download de novos programas, e 34% contam com até dez apps em seus aparelhos.

Percepção das operadoras

A pesquisa da associação mostra 48% avaliam plano de dados como ruim, 13% como péssimo e 25% como "nem bom, nem ruim". Para 11%, o plano é considerado bom, enquanto apenas 3% consideram excelente.

Em 2015, os índices eram mais favoráveis às operadoras: 16% consideravam ruim e péssimo, 47% consideravam bom, 7% excelente e 30% neutros. A entidade ressalta, apesar da percepção negativa, aumentou a penetração de planos de dados de 60% para 67%.

Acompanhe tudo sobre:Indústria eletroeletrônicaInternetSmartphones

Mais de Tecnologia

O que esperar do balanço da Nvidia, a mais nova queridinha de Wall Street

Quatro operadoras da China se unem para oferecer roaming 5G entre redes

Colher elétrica promete 'temperar' alimento sem utilizar mais sal

Plano do Instagram para engajar usuários pode dar certo?

Mais na Exame