Acompanhe:

Biometria já é usada para evitar trocas de bebês em maternidade

Dados de recém-nascidos são coletados e vinculados aos da mãe

Modo escuro

Continua após a publicidade
Griaule: empresa de Campinas fornece tecnologia biométrica para maternidade (Griaule Biometrics/Divulgação)

Griaule: empresa de Campinas fornece tecnologia biométrica para maternidade (Griaule Biometrics/Divulgação)

L
Lucas Agrela

Publicado em 13 de maio de 2019 às, 11h35.

São Paulo – A troca de bebês em maternidades já foi tema de novelas brasileiras e basta uma rápida pesquisa no Google para verificar que o problema é real e acumula relatos na imprensa. Por conta disso, o Ministério da Saúde, a pedido do Conselho Nacional de Justiça, editou, em fevereiro de 2018, uma portaria que torna obrigatório o registro biométrico de bebês em maternidades. Desde janeiro deste ano, o Hospital da Polícia Militar de Belo Horizonte adota o uso da tecnologia para identificação de recém-nascidos, sendo o primeiro do Brasil a adotar essa prática.

A iniciativa funciona com a tecnologia da empresa brasileira Griaule, fundada em Campinas em 2002. Líder do segmento no país, a companhia de mais de 4 mil clientes. Ela é responsável por gerenciar dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), da Caixa Econômica Federal e de outros bancos. Ela também é fornecedora de tecnologia para o Estado do Arizona, nos Estados Unidos.

Como as impressões digitais do bebê são pequenas, a Griaule registra o que chama de impressão palmar. Em vez de colocar os dedos individualmente no sensor para o registro, a mão toda do recém-nascido é escaneada. A precisão, segundo a empresa, é de quase 100%.

A impressão palmar é coletada logo que o bebê nasce. Em seguida, esses dados são vinculados aos da mãe. João Weber, diretor da Griaule, afirma que o problema de troca de recém-nascidos em maternidade é grande no Brasil.

"Muitas vezes a troca do bebê é descoberta apenas anos depois. É um problema frequente e não muito falado. Criamos a tecnologia para resolvê-lo", disse Weber, em entrevista a EXAME. "O interessante é o impacto dessa tecnologia. Há muitos casos de tráfico de crianças pelo Brasil e de trocas em maternidades. São problemas ainda sem solução preventiva. A identificação biométrica faz frente a isso."

O projeto da Griaule com o Hospital da Polícia Militar de Belo Horizonte também prevê o uso dos dados de biometria coletados para evitar fraudes de previdência na corporação.

Últimas Notícias

Ver mais
Salário médio do policial no Brasil é de R$ 9,5 mil; veja valores por estados
Brasil

Salário médio do policial no Brasil é de R$ 9,5 mil; veja valores por estados

Há 4 horas

PMs do Brasil perderam 30 mil policiais em uma década
Brasil

PMs do Brasil perderam 30 mil policiais em uma década

Há 9 horas

Segurança cibernética: biometria evitou prejuízo de quase R$ 29 bi, segundo Serasa
Um conteúdo Bússola

Segurança cibernética: biometria evitou prejuízo de quase R$ 29 bi, segundo Serasa

Há uma semana

Zema reitera no STF que não vai exigir vacinação completa de estudantes na rede estadual
Brasil

Zema reitera no STF que não vai exigir vacinação completa de estudantes na rede estadual

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais