Tecnologia

AT&T vai cooperar com investigação de falha de segurança no iPad

Na semana passada, o FBI abriu inquérito para investigar a falha de segurança

Em comunicado, AT&T reforçou que os infratores serão processados 'em toda extensão' da lei norte-americana (.)

Em comunicado, AT&T reforçou que os infratores serão processados 'em toda extensão' da lei norte-americana (.)

DR

Da Redação

Publicado em 15 de junho de 2010 às 10h42.

Filadélfia - A AT&T afirmou no último sábado que vai cooperar com autoridades dos Estados Unidos em qualquer investigação sobre a violação de segurança do iPad, da Apple, que expôs informações pessoais de usuários do equipamento clientes da operadora.

A AT&T disse, em carta aos consumidores, que "os infratores serão processados em toda extensão da lei". Na semana passada, o FBI abriu um inquérito para investigar a falha de segurança.

A violação, anunciada primeiramente pelo site Gawker, foi feita por um grupo de hackers denominado Goatse Security, que invadiu os dados de usuários do iPad da AT&T, acessando uma lista de endereços de email que incluía celebridades, executivos e políticos.

A AT&T, que detém a exclusividade dos direitos do iPad e do iPhone nos Estados Unidos, reconheceu a violação de segurança, mas afirmou que corrigiu a falha e que apenas os endereços de email dos usuários foram expostos.

"Sua senha, detalhes da conta, conteúdo de email e qualquer outra informação pessoal nunca estiveram em risco. Os hackers nunca tiveram acesso às redes de comunicação e de dados da AT&T ou ao seu iPad. O serviço 3G da AT&T para outros equipamentos móveis não foi atingido", informou a companhia.

Leia mais notícias sobre o iPad

Acompanhe tudo sobre:AppleEmpresasEmpresas americanasempresas-de-tecnologiaFraudesInternetiPadiPhoneTabletsTecnologia da informação

Mais de Tecnologia

Como tirar foto da Lua com o celular

Serviços sofrem com assinante "nômade" de streaming

No balanço do Spotify, o ritmo é de crescimento de usuários e assinantes premium

Amazon encerra primeira operação drones de entregas, mas promete o serviço para novos locais nos EUA

Mais na Exame