Tecnologia

Aparelho que trata ansiedade tem uso aprovado nos EUA

Dispositivo funciona estimulando a pele atrás da orelha

Publicado em 9 de abril de 2024 às 08h30.

Última atualização em 9 de abril de 2024 às 08h34.

A startup irlandesa Neurovalens, que há mais de dez anos produz tecnologias que visam estimular eletricamente o sistema nervoso de forma não invasiva, acaba de ter mais um aparelho aprovado pela norte-americana Food and Drug Administration, agência responsável por proteger a saúde pública por meio de regulamentos.

Agora, a startup tem dois aparelhos aprovados nos Estados Unidos: um para tratar o transtorno de ansiedade generalizado e um para insônia. O primeiro foi aprovado na semana passada, e o segundo, em outubro de 2023. A empresa também está trabalhando em dispositivos que miram tratar a obesidade e o transtorno de estresse pós-traumático.

Neurovalens: dispositivo não invasivos que estimulam a parte de trás da orelha (Neurovalens/-)

Os produtos são basicamente instrumentos que aplicam estímulos elétricos à pele atrás da orelha, logo atrás do nervo vestibular, como forma de estimular o hipotálamo e outras partes do tronco cerebral.

De acordo com a Neurovalens, trata-se de áreas do cérebro responsáveis por funções como controle metabólico e resposta ao estresse. A ideia é que o estímulo possa regular o controle do cérebro sobre áreas que não estão funcionando corretamente.

Em um cenário onde cerca de 4% da população mundial sofre de ansiedade e uma em cada oito pessoas está acima do peso, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, dispositivos como esse podem se mostrar extremamente úteis. Caso se provem eficazes, eles podem trazer grande conforto para pessoas que precisam de tratamento.

Acompanhe tudo sobre:Ansiedade

Mais de Tecnologia

Dez anos de Spotify no Brasil: o app que extinguiu a pirataria e virou sinônimo de música

O que esperar do balanço da Nvidia, a mais nova queridinha de Wall Street

Quatro operadoras da China se unem para oferecer roaming 5G entre redes

Colher elétrica promete 'temperar' alimento sem utilizar mais sal

Mais na Exame