Revista Exame

MM 2023: SLC cresce 70% no ano e se firma como líder no agro

A SLC Agrícola completou a incorporação que a levou a um novo patamar, sem perder eficiência

Aurélio Pavinato, CEO da SLC: crescimento asset light (Ricardo Jaeger/Exame)

Aurélio Pavinato, CEO da SLC: crescimento asset light (Ricardo Jaeger/Exame)

Mariana Grilli
Mariana Grilli

Repórter de Agro

Publicado em 14 de setembro de 2023 às 06h00.

Última atualização em 14 de setembro de 2023 às 11h37.

Quando a agricultura brasileira começava a despontar como referência global, surgia a SLC Agrícola. Na época, em 1977, o Grupo Schneider, Logemann & Cia iniciava suas operações atuando com máquinas agrícolas. Mais de quatro décadas depois, a SLC se tornou o maior grupo agrícola nacional.

Em 2022, a empresa completou o primeiro ano cheio após a incorporação da Terra Santa Agro, cuja aquisição permitiu a expansão da SLC de 400.000 para 670.000 hectares. O faturamento em 2022 chegou a 7,3 bilhões de reais, 70% mais do que no ano anterior.

A aquisição dessas novas terras demandou atenção para manter os altos índices de eficiência e produtividade que caracterizam a companhia. “Esses aspectos estão associados aos pilares de nossa estratégia, que são crescimento predominantemente asset light, eficiência, solidez financeira e protagonismo ESG”, afirma Aurélio Pavinato, CEO da SLC Agrícola.

“Apesar dos impactos do clima que afetaram principalmente as culturas do milho e do algodão, conseguimos bons resultados em termos de produtividade, inclusive com recorde na produção de soja, e resultados financeiros expressivos”, diz Pavinato. Em 2022, a empresa manteve o investimento anual entre 150 milhões e 200 milhões de reais em maquinário agrícola de ponta, além de cerca de 40 milhões de reais destinados à agricultura de precisão. Seguir investindo e crescendo é o caminho para a SLC se manter no topo de um mercado vital para o Brasil — e para o mundo.


(Publicidade/Exame)

Acompanhe tudo sobre:MM2023

Mais de Revista Exame

Nove itens essenciais para equipar a sua adega

De Ferraz de Vasconcelos a Seattle

Vira-latismo

Venda de vinhos premium no Brasil escapa de crises e deve crescer

Mais na Exame