Pop

Água do oceano avança sob ‘geleira do Juízo Final’

A Thwaites representa um risco enorme ao planeta por causa do seu derretimento

O Glaciar Thwaites, localizado na Antártica Ocidental, é o maior glaciar do mundo. (Anadolu/Getty Images)

O Glaciar Thwaites, localizado na Antártica Ocidental, é o maior glaciar do mundo. (Anadolu/Getty Images)

Fernando Olivieri
Fernando Olivieri

Redator na Exame

Publicado em 23 de maio de 2024 às 07h53.

A água do oceano está se infiltrando por milhas sob a geleira Thwaites, na Antártica — conhecido como a "geleira do Juízo Final" — tornando-o mais vulnerável ao derretimento do que se pensava anteriormente. De acordo com uma nova pesquisa, que utilizou dados de radar espacial para realizar uma "radiografia" do glaciar, essa infiltração pode significar que as projeções de aumento do nível do mar global estão subestimadas. A informação é da CNN.

A água do oceano, relativamente quente e salgada, está causando um derretimento significativo sob o glaciar. O estudo, publicado na "Proceedings of the National Academy of Sciences", sugere que as previsões atuais de aumento do nível do mar podem ser muito conservadoras.

O que é a ‘geleira do Juízo Final’?

O Glaciar Thwaites, localizado na Antártica Ocidental, é o maior glaciar do mundo, com uma largura comparável ao estado da Flórida. Ele contribui atualmente com 4% do aumento do nível do mar global. O colapso completo deste glaciar poderia elevar os níveis do mar em mais de 3 metros, o que seria catastrófico para comunidades costeiras ao redor do mundo.

Uma equipe de glaciologistas da Universidade da Califórnia, Irvine, utilizou dados de radar de alta resolução coletados entre março e junho do ano passado para criar uma imagem detalhada das mudanças na "linha de base" do glaciar — o ponto onde ele se eleva do leito marinho e se torna uma plataforma de gelo flutuante. A água do mar está se infiltrando por milhas sob o glaciar e depois se movendo novamente, seguindo o ritmo diário das marés. Esse movimento rápido da água aumenta o derretimento do glaciar, pois a água doce derretida é substituída por água do mar mais quente.

Pesquisa aponta vulnerabilidades

A pesquisa destacou que a Antártica está se tornando cada vez mais vulnerável à crise climática. Em um estudo separado, pesquisadores do British Antarctic Survey examinaram as razões para os níveis recordes de baixa de gelo marinho ao redor da Antártica no ano passado. Eles descobriram que essas baixas extremas seriam "extremamente improváveis de acontecer sem a influência das mudanças climáticas".

O derretimento do gelo marinho não afeta diretamente o aumento do nível do mar, pois já está flutuando. No entanto, deixa as plataformas de gelo costeiras e glaciares expostos a ondas e águas oceânicas quentes, tornando-os muito mais vulneráveis ao derretimento e à fragmentação.

Os modelos climáticos usados pelos pesquisadores preveem que, mesmo após duas décadas, nem todo o gelo perdido retornará. Esta perda contínua de gelo destaca a urgência de enfrentar as mudanças climáticas para mitigar impactos futuros.

Por atuar como uma barragem natural para o gelo circundante na Antártica Ocidental, os cientistas estimam que seu colapso completo poderia levar a um aumento de cerca de 10 pés no nível do mar, uma catástrofe para as comunidades costeiras globais.

Muitos estudos apontaram para as vulnerabilidades imensas de Thwaites. O aquecimento global, impulsionado pela queima de combustíveis fósseis pelos humanos, deixou o glaciar "pendurado pelas unhas", de acordo com um estudo de 2022. Esta pesquisa mais recente adiciona um novo e alarmante fator às projeções de seu destino.

Acompanhe tudo sobre:AntárticaAquecimento global

Mais de Pop

'Chico Bento e a Goiabeira Maraviósa' tem teaser divulgado; assista

Bienal do Livro de SP anuncia os convidados da edição de 2024; veja a lista

Empate entre Anderson Silva e Chael Sonnen gera memes; veja reações nas redes sociais

Festival Turá 2024: veja o line-up completo e a programação dos shows

Mais na Exame